Cartas ao Morcego: livro reflete a relação humana com outros seres a partir da pandemia

A disseminação do novo coronavírus pelo mundo se mostrou uma consequência direta das formas com as quais a humanidade lida com a natureza. Tal constatação, porém, não nos levou a uma mudança de atitude, e mais: criou um impasse, onde alguns humanos urgem por mudanças, enquanto outros colocam suas fichas na tecnologia e em mais do mesmo.

Cartas ao Morcego, nova obra da brasiliense Nurit Bensusan, publicado pela editora Mil Folhas, traz uma sequência de correspondências da autora para o mamífero de asas – tido por parte dos cientistas como a espécie que deu origem à pandemia – onde questiona e problematiza a nossa relação com os demais seres do planeta.

“Tudo que estragamos, a tecnologia poderá consertar. Causamos uma pandemia, a tecnologia nos dará vacinas e tratamentos. Modificamos o clima do planeta, a tecnologia nos proverá formas de viver nesse novo mundo. Estragamos a água e o ar, a tecnologia vai limpá-los para nós. Assim, seguimos, mimados, em frente”, reflete a autora.

Nurit sustenta ao longo de suas mensagens que o momento que vivemos não é um acaso ou azar, mas consequência das nossas ações. E se, ao final dessa crise sanitária, voltarmos ao “normal”, estaremos inevitavelmente fadados a novas epidemias.

“Volto a pensar, caro Morcego, na dificuldade que muitos humanos têm de perceber outras formas de estar no mundo, e aqui não me refiro ao jeito de viver dos morcegos e de outros animais, mas sim da pluralidade de formas de viver que existem – até quando? – entre os humanos mesmo. Estamos tão imersos nas nossas formas particulares de estar no mundo que é sobremaneira difícil imaginar, até às últimas consequências, como vivem os outros”, escreve Nurit ao seu inusitado correspondente.

O tom crescentemente intimista das cartas conduz à possibilidade de discutir o assunto não apenas de forma científica e biológica, mas também mobilizando outros elementos culturais para essa troca.

Segundo Fabio Scarano, professor de Biologia da UFRJ, a publicação “é caleidoscópio e crochê. Um arranjo permanentemente mutável – ora brilhante, ora sombrio – de seres, estados de ser e ideias, levemente entrelaçados por um crochê multidimensional. O resultado é um livro sobre linguagem, diálogo e comunicação. Sobre a tentativa, ou talvez a necessidade de ser um, com o outro”.

Publicado pela Editora Mil Folhas, o livro tem coedição do ISA – Instituto Socioambiental – e pode ser adquirido por R$ 40,00 em www.livraria.iieb.org.br.

Live – no dia 22/07 às 19h a escritora realiza uma live de apresentação da obra com convidados no Youtube da editora: https://youtu.be/gGoWGhr82tI.

Ficha Técnica:

Título: Cartas ao Morcego

Autora: Nurit Bensusan

Ilustrações: Raísa Curty

Diagramação: Cristina Guimarães (Supernova Design)

Dimensões: 18 x 12,5 cm

Formato: Papel / Brochura

Páginas: 152

1ª Edição – 2021

da Redação A Toupeira

Filed in: Livros

You might like:

Crítica: Quando o Demônio chama” Crítica: Quando o Demônio chama”
HBO Max: Três primeiros episódios de “Pacificador” já estão disponíveis na plataforma HBO Max: Três primeiros episódios de “Pacificador” já estão disponíveis na plataforma
A sala mais “very porreta” do Brasil chegou ao Escape Time A sala mais “very porreta” do Brasil chegou ao Escape Time
“Pânico”: Confira novo vídeo com o elenco original “Pânico”: Confira novo vídeo com o elenco original
© 4398 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.