Crítica: “A Babá: O Chamado das Sombras”

A riqueza e diversidade de lendas folclóricas ao redor do mundo seguem sendo excelentes / inesgotáveis fontes, nas quais muitas produções se baseiam para recriar histórias fantásticas nas telonas – e isso pode render todo tipo de resultado.

A personagem da vez, Baba Yaga, faz parte do folclore eslavo e, embora sua origem oficial a mostre como alguém com personalidade ambígua – que tanto pode prejudicar, quanto ajudar -, em “A Babá: O Chamado das Sombras” (Yaga. Koshmar tyomnogo lesa), ela surge na representação de uma bruxa que habita a fronteira entre o nosso mundo e o mundo dos mortos e se alimenta da alma de crianças.

Para conseguir realizar tal feito, conta com lacaios conhecidos como Navs, cuja aparência é um híbrido de humano e pássaro. Estes são responsáveis pelo sequestro e condução das crianças até a antagonista. Os desaparecimentos tornam-se literais, com as vítimas sendo esquecidas pelas demais pessoas e tendo qualquer vestígio de sua existência apagado desta realidade.

Tal fato acontece com a pequena Varya, meia-irmã caçula de Egor (Oleg Chugunov), um pré-adolescente que se vê deslocado da atual situação vivida por ele, na qual, após a morte de sua mãe, passa a morar com o pai Alexey (Aleksey Rozin) e a madrasta Yuliya (Maryana Spivak).

A chegada da enigmática babá Tatyana (Svetlana Ustinova) traz consequências impensáveis à já estremecida relação do garoto com sua família. Inexplicavelmente, embora sua irmã tenha sido levada para Baba Yaga, Egor mantém as lembranças de Varya e fará de tudo para trazê-la de volta em segurança – mesmo que tenha que enfrentar o desconhecido e todos os horrores que isso possa lhe causar.

Nessa inesperada missão, o protagonista contará com a providencial ajuda de sua vizinha Dasha (Glafira Golubeva) e do valentão da escola – entenda-se praticante de bullying – Anton (Artyom Zhigulin). O trio sairá em busca de informações que poderão levar a tal fronteira onde a bruxe vive, para que tentem salvar a bebê.

Dirigido por Svyatoslav Podgaevskiy (que também assina o roteiro junto a Natalya Dubovaya e Ivan Kapitonov), o longa russo tem pontos de destaque como o bom uso de filtros monocromáticos (em especial os de tons alaranjados), que ajudam a criar o incômodo visual necessário nos espectadores.

Também é válida a opção por efetivamente mostrar a figura de Baba Yaga apenas nos momentos mais cruciais da trama – o que poderia ser um erro, mas acaba tornando-se uma boa jogada na tentativa de manter o interesse.

Como os trabalhos anteriores que já vi do diretor, este também tem alguns pontos menos favoráveis, como as atuações medianas (mas que não chegam a prejudicar o andamento da narrativa) e o baixo orçamento (o que fica bem visível em determinada sequência que mostra uma discussão entre Egor e Alexey).

Embora não ofereça grandes sustos, com 97 minutos de duração, “A Babá: O Chamado das Sombras” conta com bons momentos de tensão, principalmente quando a vilã sobrenatural é vista (mesmo que sua aparência em nada lembre a figura na qual é baseada, a profusão de fios vermelhos em tela ajuda a causar uma sensação “sufocante”). Afinal, lendas perigosas são interessantes até que você esteja em frente a uma delas.

por Angela Debellis

*Título assistido via streaming, a convite da PlayArte Pictures.

Filed in: Cinema

You might like:

Prime Video lança trailer oficial e data de lançamento da segunda temporada de “Star Trek: Picard” Prime Video lança trailer oficial e data de lançamento da segunda temporada de “Star Trek: Picard”
Disney cria Exposição Imersiva do filme “O Beco do Pesadelo” no Shopping Frei Caneca Disney cria Exposição Imersiva do filme “O Beco do Pesadelo” no Shopping Frei Caneca
Paris Filmes divulga novo pôster nacional do anime “Belle” Paris Filmes divulga novo pôster nacional do anime “Belle”
Bolo Sonho de Limão é a dica da Castelo Alimentos Bolo Sonho de Limão é a dica da Castelo Alimentos
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.