Crítica: “A Escolha”

O drama “A Escolha” (Take It or leave It / Võta Või Nata), dirigido por Liina Triškina-Vanhatalo, mostra a trajetória de Erik (Reimo Sabor) ao descobrir que é pai e assumir a criação solitária de sua filha Mai (Nora Altrov), ainda recém nascida.

A trama tem o bebê como a ferramenta de amadurecimento de Erik, ao se ver sozinho com Mai no hospital, ao ter que escolher o nome, em assumir a guarda, ao conciliar o trabalho, ao tentar engatar uma nova relação, ao contar com a ajuda dos pais, ao optar por fazer só.

A produção estoniana é composta por diálogos curtos e uma valorização dos sons e ambiente, como o constante choro da bebê durante os primeiros atos que representam as dificuldades enfrentadas por Erik na construção do elo paternal. Percebemos a evolução do personagem principal e o estreitamento da relação com a filha pela organização do ambiente à sua volta, inicialmente com uma rotina desregrada em uma casa bagunçada – já no último ato as sutis mudanças são perceptíveis.

A narrativa apresenta a justificativa pelo abandono do bebê por Moonika (Liis Lass), contudo o foco principal é a paternidade solo. Um ponto positivo é a imparcialidade que a história demonstra: em nenhum momento a mulher é demonizada por não aceitar a criança. Contudo, não podemos esquecer que o que é vivido por Erik é uma realidade enfrentada por um grande número de mulheres ao decorrer da história da humanidade, mães solo não são nenhuma novidade, então o pai solo talvez não devesse ser tratado como alguém especial.

A atuação de Reimo Sabor não é dotada da emoção que histórias como essa exigem, entretanto prefiro pensar que essa é a proposta da direção. Histórias como “A Escolha” fazem lembrar outros dramas – que apesar de conceitos diferentes – trazem a paternidade como discussão central, como em “A procura da felicidade”, estrelado por Will Smith, e “Uma lição de amor”, que comprovou o indiscutível talento e  versatilidade de Sean Penn.

Vale lembrar que o drama foi escolhido para representar da Estônia na categoria de Filme Internacional na cerimônia do Oscar de 2019, mas não foi um dos selecionados. O produtor do longa Ivo Felt também já foi indicado ao Oscar e ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Filme Internacional em 2015 por “Tangerines”.

“A Escolha” tem um final um aberto, talvez nem tanto, que coloca em risco a construção de uma história honesta e coerente.  Aproveite que o filme já está disponível no Cinema Virtual e descubra até que ponto um pai é capaz de ir quando sente que a relação com sua filha está ameaçada.

por Carla Mendes – especial para A Toupeira

*Título assistido via streaming, a convite da Elite Filmes.

Filed in: BD, DVD, Digital

You might like:

Personagens do Castelo Rá-Tim-Bum mostram que pode ser divertido arrumar a casa Personagens do Castelo Rá-Tim-Bum mostram que pode ser divertido arrumar a casa
Looke oferece Promoção de Amigo e da saga Harry Potter Looke oferece Promoção de Amigo e da saga Harry Potter
Chega às livrarias o último volume da série “A Livraria dos Corações Solitários” Chega às livrarias o último volume da série “A Livraria dos Corações Solitários”
Studio Universal estreia “Animais Noturnos”, suspense dramático estrelado por Amy Adams Studio Universal estreia “Animais Noturnos”, suspense dramático estrelado por Amy Adams
© 2020 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.