Crítica: “A Família Addams”

Em 1937, o cartunista norte-americano Charles Addams deu vida a personagens que podem ser considerados estranhos por quem busca um padrão trivial em tudo que se refere à aparência ou comportamento.

Suas criações foram tema para diversas produções, incluindo filmes para o cinema, série de TV e jogos de videogame. O fascínio pelo diferente permanece em alta nos dias atuais, o que pode ter incentivado o lançamento de mais um produto baseado nos personagens.

Dirigida por Conrad Vernon e Greg Tiernan, “A Família Addams” (The Addams Family) é uma animação de traços simples – e bem próximos aos originais – que tem como base uma clássica história de origem, que começa com o casamento de Mortícia (voz de Charlize Theron na versão original) e Gomez (voz de Oscar Issac).

O jovem e apaixonado casal que sai em busca de um lugar para chamar de seu – após fugir da ira de aldeões com tochas e forcados – encontra em um manicômio desativado em Nova Jersey, o espaço perfeito para estabelecer residência. Neste ponto, o soturno mordomo Tropeço (Conrad Vernon) entra para o clã de maneira bem atípica também.

Após uma passagem de 13 anos – representada através de retratos que mostram o nascimento / crescimento de Wandinha (Chloë Grace Moretz) e Feioso (Finn Wolfhard) -, está na hora dos protagonistas se reunirem com membros mais distantes para celebrar o Mazurca de seu filho mais novo – cerimônia que marca a transição da infância para a vida adulta dos meninos da família.

Mas, nem tudo são flores (ou no caso dos Addams, espinhos): Feioso não leva o menor jeito para executar os movimentos exigidos no ritual e pode colocar em risco a reputação de seus antepassados. Para completar, a adolescente Wandinha começa a questionar os motivos de não poder frequentar uma escola regular com pessoas “normais” e o fato dela nunca ter saído das dependências da casa.

Como novas inserções, há a vilã da vez, Margot Agulheira (Allison Janney), apresentadora de tv de um popular programa de reformas, responsável pela construção e venda de um condomínio onde todas as pessoas parecem carregar consigo um sentimento de falsa felicidade padrão. Ao perceber que a mansão no alto da colina não se ajusta à aparência “feliz e colorida” de seu empreendimento, ela fará de tudo para reparar esse “erro”.

Também há sua filha Parker (Elsie Fisher), que assim como a primogênita dos Addams, tem a cabeça repleta de questionamentos – inclusive no que diz respeito à cobrança de atenção por parte de sua mãe, sempre ocupada demais para lembrar-se dela.

O roteiro de Pamela Pettler e Matt Lieberman ainda reserva espaço para mais nomes esperados como Tio Fester (Nick Kroll) e seu humor infantil, Vovó (Bette Midler), Tio It (Snoop Dogg) – com cabelos cada vez mais hidratados e brilhantes – e Mãozinha (sempre prestativo e com comunicação impecável). Tudo para trazer de volta à memória dos fãs o que há de melhor no trabalho de Charles Addams e para apresentar à nova geração esses personagens tão marcantes.

Diversão despretensiosa e muito eficaz. Vale a pena conferir!

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Netflix confirma o início da produção de “Rebelde” Netflix confirma o início da produção de “Rebelde”
Fandangos lança versão em formato de mini espigas Fandangos lança versão em formato de mini espigas
Saiba quem são os vencedores do Globo de Ouro 2021 Saiba quem são os vencedores do Globo de Ouro 2021
IGN Fan Fest: Assista aos créditos iniciais de “Zack Snyder’s Justice League” IGN Fan Fest: Assista aos créditos iniciais de “Zack Snyder’s Justice League”
© 8369 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.