Crítica: “A Maldição da Casa Winchester”

Relacionar a palavra ‘terror’ à expressão ‘baseados em fatos reais’ já deveria ser o bastante para assustar qualquer mortal (tanto os que pulam nas cadeiras de cinema sem nenhum pudor, quanto os que ostentam o ar de indiferença durante a exibição).

Se o roteiro de “A Maldição da Casa Winchester” (Winchester), escrito por Tom Vaughan e pela dupla que também fica à frente da direção, Michael e Peter Spierig, não se destaca por sua originalidade – afinal, incontáveis filmes sobre casas mal-assombradas já ganharam as telonas –, há de se dizer que há relativa competência em se transportar para os cinemas uma história tão naturalmente perturbadora.

A protagonista da trama é Sarah Winchester (Helen Mirren), viúva do milionário dono da fábrica das armas – até hoje – mais conhecidas dos Estados Unidos. Após o falecimento de seu marido, supostamente a senhora passou a ser atormentada por espíritos de pessoas que foram mortas por uma arma que levasse seu sobrenome.

Para se esquivar de tais assombrações, Sarah passa a comandar de maneira quase doentia a construção de diversos cômodos em casa. Segundo ela, tais locais – erguidos à risca a partir de desenhos psicografados – seriam necessários para que os mortos pudessem retornar a este mundo em busca de perdão, para só então libertarem suas almas.

O problema é que não parece missão muito simples explicar às pessoas – sejam parentes questionadores ou gananciosos sócios – as razões que levam à execução intermitente de uma obra, cujos resultados, muitas vezes, são destruídos pouco tempo após sua finalização.

A narrativa, passada em 1906, ganha forma definitiva com a chegada do Dr. Eric Price (Jason Clarke), contratado pelos acionistas da empresa para atestar a insanidade de Sarah e, por consequência, sua incapacidade em permanecer à frente dos negócios (ela é detentora de 51% das ações).

Cético, o médico – dependente de doses esporádicas de Láudano -, vê no montante de dinheiro oferecido a ele, a solução de seus problemas, que se avolumaram de maneira exponencial com a morte prematura de sua esposa. O que ele não imaginava, era que, ao lado dos moradores do lugar (Sarah, sua sobrinha Marion – papel de Sarah Snook e seu sobrinho neto Henry – interpretado por Finn Scicluna O’Prey), seria testemunha / vítima de fatos sobrenaturais, que o fariam rever conceitos até então irredutíveis.

Se o longa falha ao fazer uso excessivo dos chamados “sustos fáceis”, por outro lado consegue ter êxito em apresentar detalhes cenográficos, com ambientes ricos, que transportam o público para dentro da temível casa. Os labirintos internos – que podem não levar a lugar nenhum -, a criadagem inexpressiva, cuja presença se funde ao cenário; as informações coletadas por Sarah, para criar uma espécie de arquivo com os nomes de todos que morreram pelo uso de uma das armas forjadas por sua família, são pontos a serem destacados.

Não espere por terror puro e absoluto – em nenhum momento o filme me pareceu tentar vender essa ideia – mas, por uma produção, no mínimo, intrigante.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Culturama lança “O Essencial do Zé Carioca: Celebrando os 80 Anos da sua Estreia” na Bienal Culturama lança “O Essencial do Zé Carioca: Celebrando os 80 Anos da sua Estreia” na Bienal
“Minions 2: A Origem de Gru” é a maior abertura de animação dos últimos dois anos “Minions 2: A Origem de Gru” é a maior abertura de animação dos últimos dois anos
“Origami”, livro de Maíra Carvalho, ganha sessão de autógrafos na Bienal do Livro “Origami”, livro de Maíra Carvalho, ganha sessão de autógrafos na Bienal do Livro
Grace Gianoukas comemora 40 anos de carreira com o Espetáculo “Grace Em Revista” Grace Gianoukas comemora 40 anos de carreira com o Espetáculo “Grace Em Revista”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.