Crítica: “A Última Floresta”

Em 1980, a descoberta de minerais, em particular ouro, causou uma verdadeira corrida na região próxima à fronteira do Brasil com a Venezuela, atraindo garimpeiros de todos os cantos procurando riquezas.

Porém, essas terras já tinham dono: os yanomami e os ye’kwama. Esses dois povos nativos que habitavam a região há milhares de anos já viam seu modo de viver ameaçado com projetos de expansão e colonização do governo militar brasileiro, pois tais trariam doenças que, por serem mais isolados que outros grupos no Brasil afora, nunca tiveram contato, além da tomada de terras e destruição de recursos necessários para a sobrevivência destes.

A ameaça federal, no entanto, empalidece perante a invasão garimpeira: destruição descontrolada da mata pelo ouro, expulsão e assassinatos de indígenas, além da constante contaminação por mercúrio do ambiente.

Com a democratização, o governo tomou providências para que este tipo de crime fosse controlado, e a demarcação de terras indígenas e sua subsequente monitoração se tornaram mais sérias, o que, no entanto, não impediu que em 2004, uma nova corrida do ouro acontecesse.

Por sua vez nada se compararia ao ocorrido no recente governo bolsonarista: o abandono da fiscalização resultou num absurdo aumento do garimpo ilegal 30%. Um agravante ainda mais absurdo, são as continuas tentativas do presidente em tentar legalizar a atividade garimpeira, e de enfraquecer as instituições de ambiental e dos direitos indígenas, com ações como, por exemplo, apontar como diretor da FUNAI – agora afastado – um homem que se dizia contra a instituição, e para piorar defendia a agropecuária de larga escala em terras indígenas, completamente ignorando qualquer impacto que possa ter no ambiente e vida destes povos.

O resultado final desta completa negligência e descaso: envolvimento até de lideres de facções criminosas como o PCC, impacto ambiental que chega até mesmo a ameaçar a infraestrutura energética, e assassinatos, além dos patógenos que esses povos têm menos resistência. Porém, para a população geral do Brasil, e quiçá do mundo, esta é uma realidade distante.

Por isso, o trabalho de pessoas como Davi Kopenawa é tão importante: conscientizar, chamar atenção à causa, e mostrar que esta realidade pode muito bem resultar impactos até mesmo para quem de lá mora longe.

Davi Kopenawa é um líder Yanomami e ativista das causas indígenas e ambientais, e tem sido uma das maiores vozes para o Brasil e mundo das comunidades amazônicas e isoladas, e contra o garimpo ilegal, que com apoio de escritores, jornalistas e cineastas vem criando obras para chamar atenção aos problemas que ocorrem na região.

Na parte literária, Davi trabalhou em conjunto com o escritor e antropólogo Bruce Albert, para a criação de “A Queda do Céu – Palavras de um Xamã Yanomami”. O livro é uma mistura de crítica social e política, ligada às situações descritas anteriormente, com etnografia, onde descreve costumes, tradições e a cosmogonia de seu povo.

A obra foi adaptada para o cinema com roteiro do próprio Davi Kopenawa e do diretor Luíz Bolognesi, com título de “A Última Floresta”. O filme, assim como o livro, é parte documentário, parte encenação. Todos os personagens são pessoas reais, membros da mesma comunidade de Davi, a maioria das cenas são retratos ou de ocorrências durante o período do filme ou situações anteriores vividas pelos próprios, quando não, são um retrato de seus mitos e lendas.

Desta forma, “A Última Floresta” não cria uma trama em si: é uma colagem de momentos, interconectados por diferentes narrativas, que no fim representam as realidades mítica e física dos Yanomami. A qualidade do roteiro, desta forma, se encontra no modo como fluem os diferentes momentos, e como os conecta, de maneira que não percamos o fio da meada, e ao mesmo tempo nos atente aos diferentes aspectos do longa.

Outro elemento de grande qualidade no filme é sua fotografia, de maneira que é impossível não se sentir no meio do ambiente retratado, com suas densas matas, seus rios, e seus animais. Além de imersiva, também é bela: desde seus retratos no interior da selva e da tribo, até as tomadas aéreas, trazem uma beleza única.

A trilha sonora é incrível, dividida entre cantos Yanomamis, e quartetos de cordas. No entanto, neste segundo aspecto, a música é constantemente tensa, um retrato da fragilidade da situação deste povo.

“A Última Floresta” é uma pesada crítica sócio-ambiental ao atual governo, mas também serve para anteriores e principalmente para posteriores. Chama atenção a um antigo problema, que em si nunca foi completamente resolvido, e é utópico pensar que em breve será, e é um belo trabalho de conscientização sem deixar cair-se nas tentações da tornar exóticos aqueles a quem quer representar.

por Ícaro Marques – especial para A Toupeira

*Título assistido em Cabine de Imprensa Virtual promovida pela Gullane Entretenimento.

Filed in: Cinema

You might like:

Prime Video lança trailer oficial e data de lançamento da segunda temporada de “Star Trek: Picard” Prime Video lança trailer oficial e data de lançamento da segunda temporada de “Star Trek: Picard”
Disney cria Exposição Imersiva do filme “O Beco do Pesadelo” no Shopping Frei Caneca Disney cria Exposição Imersiva do filme “O Beco do Pesadelo” no Shopping Frei Caneca
Paris Filmes divulga novo pôster nacional do anime “Belle” Paris Filmes divulga novo pôster nacional do anime “Belle”
Bolo Sonho de Limão é a dica da Castelo Alimentos Bolo Sonho de Limão é a dica da Castelo Alimentos
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.