Crítica: A Última Loucura de Claire Darling

A mente humana é um território muito frágil, entendê-la exige muita sabedoria, paciência, inteligência delicadeza e humanidade. E mesmo assim não é garantia que entenderemos os conflitos causados por ela.

Essa é a premissa do longa “A Última Loucura de Claire Darling” (La Dernière Folie de Claire Darling) dirigido por Julie Bertuccelli – que também é uma dos roteristas – e brilhantemente protagonizado por Catherine Devenue. Angústias, confusões mentais, lembranças e perdas não superadas encabeçam o enredo do drama que é movido à solidão emocional.

É o primeiro dia do verão em Verdonne e Claire (Catherine Devenue) simplesmente acorda com o pressentimento que esse será o seu ultimo dia de vida. Sendo assim, ela resolve desapegar de todos os objetos que a fazem lembrar do passado, colocando-os na garagem de casa para que todos os moradores os adquirissem com um baixo valor, o que, obviamente, gera uma grande confusão.

Apesar de livrar-se dos objetos materiais, a protagonista não pode fazer o mesmo com seus sentimentos, pois os traumas do passado são os que mais a atormentam.

Por essa temática, podemos classificar como uma jogada de mestre a escolha de Catherine Devenue e Chiara Maiostranni. Somente a cumplicidade no olhar de ambas em cena já é um show de atuação, além do fato de também serem mãe e filha na vida real – o que talvez tenha contribuído na construção das personagens. A angústia e o sentimento de solidão presentes na interpretação das duas geram cenas que dispensam diálogos.

Abordando a fragilidade mental do ser humano, mesmo que indiretamente, a obra coloca em questão um tema bem atual: a depressão e suas causas, o quanto a dificuldade em aceitar as adversidades que a vida nos impõe pode trazer malefícios à nossa saúde emocional. Em longo prazo, no caso da personagem, ela não soube lidar com o luto e foi armazenado ressentimentos, tristezas e rancores que em uma idade mais avançada voltam para atormentá-la.

Na sociedade atual as principais causas da depressão são as mesmas: sentimentos que não são colocados pra fora – infelizmente os números de pessoas com essa doença aumentam a cada dia. Ficam também os questionamentos: Os dramas e confusões psicológicas justificam erros? O fato de uma pessoa estar vivendo um momento de luto é motivo para causar dor e transtornos ao próximo?

Claire causou muito sofrimento à sua filha devido ao luto pela perda de seu filho homem. Porém, em um momento desses, se ambas se aproximassem ao invés de se distanciarem, não seria mais fácil encarar a dor e sobreviver a ela?

Um fato que chama a atenção do espectador é a história toda se passar em um único dia em um mix de passado e presente que se confrontam. De início pode gerar certa confusão no público, mas após alguns minutos já podemos compreender o intuito da obra.

Analisando o longa no geral, é uma excelente produção, com elenco de alta competência, uma história triste (porém envolvente)  e a fotografia é magnífica. Dica: Aguardem o final do filme e se surpreendam.

por Leandro Conceição – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Studio Universal estreia novos filmes natalinos em dezembro Studio Universal estreia novos filmes natalinos em dezembro
Em dezembro, Looke irá adicionar mais de 30 filmes por semana Em dezembro, Looke irá adicionar mais de 30 filmes por semana
HBO Max anuncia ‘Onda Boa com Ivete’, série documental de Ivete Sangalo HBO Max anuncia ‘Onda Boa com Ivete’, série documental de Ivete Sangalo
Editora Serena lança “Vivendo como um guerreiro”, que conta a trajetória do humorista Whindersson Nunes Editora Serena lança “Vivendo como um guerreiro”, que conta a trajetória do humorista Whindersson Nunes
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.