Crítica: “A Vida em Si”

“A Vida em Si” (Life Itself) é o segundo filme roteirizado e dirigido por Dan  Fogelman, cujo trabalho mais recente é como roteirista e produtor da série “This Is Us”.

O filme segue as histórias de Will e Abby Dempsey (Oscar Isaac e Olivia Wilde), um casal americano que se desfez há seis meses, fato que levou ao colapso mental do marido; e Rodrigo e Isabel González (Alex Monner e Laia Costa), um casal espanhol que está no começo de sua vida conjugal. A partir disto conheceremos suas conexões.

O roteiro se baseia no conceito do narrador parcial, aquele cuja narração pode eventualmente vir a discorrer a história de forma favorável sob seu ponto de vista. Ainda à luz deste conceito, o filme aborda a questão da memória e sua plasticidade, e como os traumas manipulam nossa percepção de mundo.

Das grandes estrelas a que mais se destaca é Antonio Banderas, cujo papel do canalha e galanteador Sr. Saccione, desempenha com eficiência. Oscar Isaac, ainda que não seja seu melhor trabalho, transmite a sensação do colapso mental em suas expressões. E Laia Costa rouba a cena nas cenas em que participa.

Olhando para os aspectos técnicos, a fotografia é muito bem preparada, particularmente a condução dramática da câmera e a escolha das cores. As faixas presentes em sua trilha sonora ajudam no tom dramático, ainda que não valham a audição externa.

Se há uma expressão que pode descrever “A Vida em Si” é “oportunidades perdidas”. Existem elementos muito interessantes na trama, porém o roteiro não faz o devido jus. Ao tentar entrelaçar uma comédia romântica em meio às tragédias vividas pelos personagens, gera uma distonia entre o humor e o trágico, criando uma estranha tragicomédia romântica, que não funciona tão bem. Se o foco fosse maior nos dramas, funcionaria muito melhor.

A questão do narrador tendencioso, parcial ou não confiável, também não é bem utilizada. Ao invés de criar algo atrativo, o longa parece subestimar o poder de assimilação do espectador. Ainda que o uso para criar ambiguidades ou uma narrativa mais complexa possa ser algo comum a esse tipo de narração, a produção envereda pelo caminho mais simples, e somente ao começo vemos uma narrativa que usa este tipo de elemento em seu potencial maior.

Há de se destacar que “A Vida em Si” tem seus méritos e momentos de brilho. Mas, por outro lado, quando sobem os créditos finais, é provável que parte da plateia fique com a incômoda sensação de que houve um grande desperdício de potencial da película.

por Ícaro Marques – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

“Loki”: Saiba fatos sobre a nova série da Marvel Studios “Loki”: Saiba fatos sobre a nova série da Marvel Studios
Disney+: Saiba tudo sobre “Luca”, a nova animação da Pixar Disney+: Saiba tudo sobre “Luca”, a nova animação da Pixar
Escape Time Brasil e LendaTV apresentam “O Museu”, uma exposição de terror inédita no Brasil Escape Time Brasil e LendaTV apresentam “O Museu”, uma exposição de terror inédita no Brasil
Starzplay anuncia elenco de “Dangerous Liaisons”,  inspirada no clássico “Ligações Perigosas” Starzplay anuncia elenco de “Dangerous Liaisons”, inspirada no clássico “Ligações Perigosas”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.