Crítica: “Alice e Peter: Onde nascem os Sonhos”

Em dado momento de “Alice e Peter: Onde nascem os Sonhos” (Come Away), um importante – e até mesmo incômodo – questionamento vem à tona: Se, quando adultos, deixamos de sonhar. O quão impactante a história contada no drama fantástico dirigido por Brenda Chapman será para cada um que assisti-la, vai depender da resposta dada a essa pergunta.

A trama gira em torno dos irmãos David (Reece Yates), Alice (Keira Chansa) e Peter Littleton (Jordan A. Nash), que têm na imaginação a principal ferramenta para iluminar a rotina de seu dia a dia. O trio vive com os pais Jack (David Oyelowo) e Rose (Angelina Jolie) em uma modesta casa na Inglaterra, onde encontra total liberdade para brincar e criar as próprias histórias na floresta ao redor.

Quando um infortúnio acomete a família, Peter e Alice passam a se perguntar – ainda mais – até que ponto o inevitável amadurecimento que vem com a idade vai impedi-los de enxergar a magia que se esconde nas mínimas coisas e que, na maior parte do tempo, passam despercebidas pela grande maioria.

A princípio a proposta de levar às telas um amálgama de dois clássicos atemporais, “Alice no País das Maravilhas” e “Peter Pan” pode não parecer a melhor das decisões. Mas, felizmente, como prega a máxima que nos aconselha a não julgar um livro pela capa – ou, nesse caso, um filme pela sinopse – a proposta consegue entregar um resultado bastante coeso.

É muito competente a maneira como elementos fundamentais das histórias criadas por Lewis Carroll e J. M. Barrie são inseridos na “vida real” de uma família comum. Embora a maioria surja de maneira metafórica, é fácil identificar cada figura ou passagem literária e entender como todas acabarão se juntando para formar aventuras tão distintas.

O roteiro de Marissa Kate Goodhill conta com momentos que vão de inocentes – como um chá da tarde com brinquedos de pelúcia -, a soturnos, como situações de luto ou conflitos familiares. Ou seja, em algum ponto, a produção tem possibilidade de conquistar o interesse de vários públicos diferentes (ainda que possa perder força nas áreas cujo assunto não é, efetivamente, interessante à sua faixa etária ou preferência particular).

Como já era de se esperar, as sequências que simulam o que se passa na imaginação das crianças são as que têm o visual mais cativante, mesmo que apresentadas com recursos visuais medianos. Sejam os Garotos Perdidos da Terra do Nunca ou a Toca do Coelho do País das Maravilhas, tais componentes são muito bem-vindos para trazer um pouco de nostalgia e provocar um sorriso na criança interior de quem se deixar levar pelas boas lembranças que somente um clássico infantil pode proporcionar.

Para apreciar a essência de “Alice e Peter: Onde nascem os Sonhos”, é necessário embarcar na história e estar disposto a entender o quão profunda é a frase de outro aclamado autor de fantasia, C. S, Lewis: “Um dia você será velho o bastante para voltar a ler contos de fadas”.

por Angela Debellis

*Título assistido em sessão regular de cinema.

Filed in: Cinema

You might like:

Jogue 5 Eras da história humana no Closed Beta de Humankind Jogue 5 Eras da história humana no Closed Beta de Humankind
Ubisoft anuncia Avatar: Frontiers of Pandora com primeiro trailer Ubisoft anuncia Avatar: Frontiers of Pandora com primeiro trailer
Mario + Rabbids Sparks of Hope apresenta uma aventura em escala cósmica Mario + Rabbids Sparks of Hope apresenta uma aventura em escala cósmica
Tom Clancy’s Rainbow Six Extraction ganha anúncio de lançamento para setembro Tom Clancy’s Rainbow Six Extraction ganha anúncio de lançamento para setembro
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.