Crítica: “Animais Noturnos”

animais-noturnos-novo-poster-criticaUm filme que tem um aclamado estilista de moda frente à direção, cuja personagem feminina principal é a dona de uma galeria de arte. Engana-se quem pensar que “Animais Noturnos” (Nocturnal Animals) é uma produção leve, que tem como tema central o fascínio do mundo da moda ou arte em geral.

Baseado no livro “Tony & Susan”, escrito em 1993 por Austin Wright, o drama dirigido por Tom Ford – em sua segunda incursão na indústria cinematográfica – é denso, provocativo e por vezes incômodo, desde a absolutamente surpreendente sequência inicial, que fica ainda mais chamativa pelo uso da câmera lenta e eficaz trilha sonora.

A intrincada trama nos apresenta Susan Morrow (Amy Adams competente como sempre), uma bem sucedida especialista do ramo das artes. A beleza de seu mundo não se atém apenas ao lado profissional, tudo em sua vida exala magnitude e alto padrão: a casa com seus amplos ambientes com paredes de vidro, o atual marido Hutton Morrow (Armie Hammer) com aparência de príncipe de contos de fadas, os figurinos de tirar o fôlego de homens e causar inveja em mulheres.

Esse é o momento atual da protagonista, mas seu passado nem tão gracioso assim vem à tona novamente, quando ela recebe um inesperado pacote pelo correio, contendo uma cópia ainda sem acabamento gráfico, de uma obra escrita por seu ex-marido Edward Sheffield (Jake Gylenhaal), intitulada “Animais Noturnos” em alusão ao apelido dado a Susan por sua recorrente insônia.

Do momento em que ela inicia a leitura, várias camadas de acontecimentos se intercalam / mesclam. Sua vida no presente, cercada de superficial beleza, mas calcada em fatos sórdidos como a ciência da falência do marido e a descoberta de sua traição; sua história passada há mais de 20 anos, quando decidiu enfrentar a família conservadora (fortemente representada por sua mãe Anne, papel de Laura Linney) para viver com Edward – um jovem sonhador e com talento duvidoso para a escrita – e, como ela mesma diz, a brutal maneira como eles se separam.

A terceira vertente se dá através da violenta narrativa do livro, que mostra como a aparente pacata vida de Tony Hastings (também vivido por Jake Gylenhaal, em interpretação cuja indicação ao Oscar já é dada como certa) muda de maneira radical após uma mal sucedida viagem em família. Nesse universo surgem mais dois nomes marcantes no longa: o do detetive Bobby Andes (Michael Shannon) e o do transgressor Ray Marcus (Aaron Taylor-Johnson).

O que mais me chamou a atenção foi o fato de tudo se desenrolar com uma precisão incrível. Quando você acha que já sabe o que vai acontecer, que nada mais vai surpreendê-lo, uma cena basta para que nenhuma peça se encaixe e qualquer teoria formulada vá por água abaixo. Tanto que quando começam a subir os créditos finais, a sensação de incredulidade é quase inevitável.

Vencedor do Prêmio do Júri no Festival de Veneza e com três indicações ao Globo de Ouro, o longa chega também como forte candidato ao Oscar. E faz por merecer todo esse destaque.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Filme de South Park sobre a pandemia desembarca na Watch Brasil Filme de South Park sobre a pandemia desembarca na Watch Brasil
“Takeshi”: Techland apresenta nova história em áudio “Takeshi”: Techland apresenta nova história em áudio
Campanha do Boticário traz Gretchen, “Rainha do Bumbum”, em clipe irreverente Campanha do Boticário traz Gretchen, “Rainha do Bumbum”, em clipe irreverente
“Insânia”, série brasileira de suspense do Star+, estreia em mais de 60 países “Insânia”, série brasileira de suspense do Star+, estreia em mais de 60 países
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.