Crítica: “Annabelle 2 – A Criação do Mal”

Apesar de contar com uma numerosa legião de fãs, não são frequentes as vezes em que o terror consegue ter êxito para sustentar uma franquia (exceção feita às ainda lembradas sagas dos anos de 1980, algumas até mesmo com remakes / reboots de qualidade duvidosa).

Mas, “Invocação do Mal” mostrou-se uma mina de ouro, com ótimas bilheterias dos dois primeiros filmes – o terceiro já confirmado -, e as ramificações produzidas ou que ainda chegarão aos cinemas nos próximos anos.

Quem está de volta às telonas é a assustadora boneca ruiva vestida de noiva. Como o próprio título sugere, em “Annabelle 2 – A Criação do Mal” (Annabelle 2 – Creation) vemos o início de sua história, através de fatos ocorridos antes dos mostrados em seu antecessor de 2014. Agora, como parece ter se tornado padrão em filmes de “origem”, a participação da protagonista não é tão constante, até para fazer com que ocorram diversos acontecimentos simultâneos.

A trama apresenta a pacata vida do casal Samuel e Esther Mullins (Anthony LaPaglia e Miranda Otto), que vivem com sua filha única, a quem chamam de “Abelhinha” (Samara Lee), na casa que também serve de oficina para o artesão de bonecas. A rotina da família será virada do avesso quando um acidente vitimar a garotinha de 7 anos, e fizer com que seus pais busquem qualquer ajuda – sobrenatural, é claro – para voltar a ter contato com ela.

O longa, que tem Davi F. Sandberg, do sucesso “Quando as luzes se apagam” à frente da direção, dá um salto de 12 anos para mostrar a chegada de internas de um orfanato que, ao lado da jovem freira Irmã Charlotte (Stephanie Sigman) mudam-se para a casa dos Mullins, a convite do casal que ainda reside lá. Esse é o cenário para o início das macabras atividades após o inesperado despertar de Annabelle.

No centro da ação estão as garotas Janice (Talitha Bateman) e Linda (Lulu Wilson), amigas que se tratam como irmãs e planejam um futuro juntas ao lado de uma possível família que as adote. Janice é vítima de um surto de poliomielite e tem dificuldades para se locomover – o que num filme de terror, nunca pode significar coisa boa – e, como visto em trailer lançado na época de divulgação do título, julga-se a mais fraca e, por consequência, a mais suscetível a qualquer malefício deste ou de outro mundo.

O grande acerto do filme é ter mantido a postura inanimada de Annabelle. Se o mal pode ter qualquer forma – e isso é bem explorado durante a narrativa – uma mudança no que já se conhece da boneca, seria desnecessária. Também vale ressaltar que a opção por um terror mais psicológico, sem excesso de sangue ou artifícios repulsivos, serve para manter a tensão entre os espectadores, ainda que haja poucos sustos reais.

Por outro lado, é plausível dizer que obras cinematográficas são passíveis de erros em seu produto final. O problema é quando estes são percebidos com facilidade – o que acontece em momentos de importâncias variadas, quando certas falhas no roteiro tornam-se nítidas para o público.

Destaque para os minutos finais surpreendentes e que fazem ligação com outros títulos vindouros. Assim como para a boa sequência no celeiro e os easter eggs que devem animar os fãs das franquias que compõem este bem sucedido universo de terror da Warner Bros.

Há duas cenas pós-créditos, então espere o acender das luzes para sair da sala.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Havaianas mergulha no universo secreto dos brinquedos com “Toy Story 4” Havaianas mergulha no universo secreto dos brinquedos com “Toy Story 4”
Assista ao trailer oficial de “Aprendiz de Espiã” Assista ao trailer oficial de “Aprendiz de Espiã”
Lilia Cabral é solteirona que quer desencalhar no trailer de “Maria do Caritó” Lilia Cabral é solteirona que quer desencalhar no trailer de “Maria do Caritó”
“Doutor Sono” ganha primeiro trailer legendado e pôster nacional “Doutor Sono” ganha primeiro trailer legendado e pôster nacional
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.