Crítica: “Aquaman”

Apesar de saber que Jason Momoa carrega em sua filmografia participações de peso (como nas séries “Stargate Atlantis” e “Game of Thrones”), meu primeiro contato com seu trabalho foi em “Batman vs Superman”, sua estreia no papel de Arthur Curry / Aquaman.

Como fã de longa data dos quadrinhos – e como já aconteceu em vezes anteriores – foi com certa estranheza que recebi a escalação do ator para viver o herói nas adaptações cinematográficas dos arcos da DC Comics. Felizmente, esse é mais um caso em que é necessário abraçar as novidades para perceber que a escolha foi muito acertada.

Assim que surge em tela, após uma excelente introdução que mostra o encontro – e posterior relacionamento da Rainha Atlanna (Nicole Kidman) e Tom Curry (Temuera Morrison) – e a manifestação dos poderes de Arthur na infância, Momoa assume a identidade do protagonista com tal maestria, que todas as dúvidas prévias vão por água abaixo.

Com um trabalho impecável de James Wan à frente da direção, “Aquaman” conta uma história bastante clássica e que tem todos os elementos necessários para construir uma base sólida para o herói nas telonas. Subestimado por boa parte dos leitores, o personagem mostra-se tão poderoso quanto sensato e, embora não tenha interesse em assumir o trono de Atlântida, não se faz de rogado quando a necessidade de muitos parece maior do que sua vontade individual.

A paz (ou o que a valha) entre o mundo terrestre e o aquático está em perigo. Orm (Patrick Wilson), meio-irmão de Arthur e atual regente de Atlântida, planeja invadir a superfície e acabar com a humanidade. Ok, os planos podem parecer exagerados, mas a verdade é que boa parte dos habitantes do nosso mundo também dão motivos para que todo tipo de raça (místicas, alienígenas etc) se revolte e queira ver o nosso fim.

Caberá ao protagonista reivindicar seu lugar como rei para evitar uma guerra sem proporções. Para isso, contará com a providencial ajuda da Princesa Mera (Amber Heard), cujas ideias entram em confronto direto com as ações de seu pai, Rei Nereus (Dolph Lundgren). A dupla terá como mentor o sábio conselheiro Vulko (Willem Dafoe), que os orientará em sua busca pelo único artefato que poderá dar a voz e o poder necessários ao Aquaman: o tridente do primeiro rei de Atlântida.

Em meio a tudo isso, o herói também precisará enfrentar um de seus vilões clássicos das HQ’s. Arraia Negra (Yahya Abdul-Matten II) – que tem uma das armaduras mais bacanas dos últimos tempos – pode ter uma motivação simples, mas que costuma alcançar um alto grau de eficiência / estrago em tramas do gênero: ele quer vingança por razões pessoais.

Como já era de se esperar, o grande trunfo da produção são as sequências passadas embaixo d’água. Quem está acostumado à dureza e sisudez impostas pelo cinza do concreto nosso de cada dia, pode estranhar a profusão de cores vistas em cada um dos reinos aquáticos, mas é inegável a eficiência na construção de cada detalhe, dos habitantes às vestimentas, das armas aos veículos. E mesmo o Reino do Fosso sendo o mais escuro, a cena passada nele é uma das mais incríveis e ficou entre minhas preferidas.

Também vale destacar a naturalidade com que o roteiro transita entre a seriedade da situação (a iminência de uma guerra) e a leveza dos momentos cômicos, incluindo uma surpreendente e impagável interação com um inusitado grupo de coadjuvantes.

Ao fim de 144 minutos, a sensação que fica é que “Aquaman” conseguiu um feito em que poucos acreditavam. Embora não caibam comparações injustas ou desnecessárias com outros títulos baseados em histórias em quadrinhos, é fácil afirmar que o longa teve êxito em tudo a que propôs, inclusive em catapultar tanto o nome do herói quanto o do ator a um nível em que dificilmente passarão despercebidos daqui por diante.

Imperdível.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema, Quadrinhos

You might like:

“Loki”: Saiba fatos sobre a nova série da Marvel Studios “Loki”: Saiba fatos sobre a nova série da Marvel Studios
Disney+: Saiba tudo sobre “Luca”, a nova animação da Pixar Disney+: Saiba tudo sobre “Luca”, a nova animação da Pixar
Escape Time Brasil e LendaTV apresentam “O Museu”, uma exposição de terror inédita no Brasil Escape Time Brasil e LendaTV apresentam “O Museu”, uma exposição de terror inédita no Brasil
Starzplay anuncia elenco de “Dangerous Liaisons”,  inspirada no clássico “Ligações Perigosas” Starzplay anuncia elenco de “Dangerous Liaisons”, inspirada no clássico “Ligações Perigosas”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.