Crítica: “Aqueles que ficaram”

É interessante observar por meio da perspectiva de quem sobreviveu ao extermínio de Judeus durante a Segunda Guerra Mundial, como eles se reergueram ou apenas continuaram a existir após esse período tão tenebroso na história da humanidade.

As pessoas agem como se o fim da guerra fosse o fim dos problemas, é aí que muitos se enganam: além de lidar com a solidão, miséria e xenofobia, a maior parte ainda tem que aprender a sobreviver aos traumas psicológicos.

O longa húngaro “Aqueles que ficaram” (Akik maradtak), dirigido pelo francês Barnabás Tóth, narra a história dos sobreviventes do holocausto, Aldo (Kálory Hajduk) e Klara (Abigél Szoke) em diferentes estágios da vida. A garota de apenas 16 anos se força acreditar que seus pais estão vivos e que são prisioneiros de guerra. Enquanto Aladar (Aldo), voltou a ser médico e é voluntário em um orfanato, leva uma vida solitária e monótona.

O destino deles se cruza quando Olgi (Mari Nagy), tia de Klara resolve levar a garota ao consultório. Após esse breve encontro entre médico e paciente, que aparentemente nada despertou em ambos, um dia a Klara resolve esperar por Aldo após o trabalho dele. Eles passam horas conversando e é a partir deste ponto que percebemos que começa a surgir uma ligação entre os personagens.

Klara é a típica adolescente, rebelde e até um pouco ingrata com a tia que cuida dela e vê em Aldo uma espécie de figura paterna, contudo durante todo o longa há um clima estranho: nunca se sabe exatamente qual é o tipo de sentimento eles nutrem um pelo outro, tanto que em diversos momentos a relação entre eles é questionada por figuras secundárias.

Há uma aura apática sobre todos os personagens – Tóth conseguiu criar uma atmosfera fria, logicamente que o trabalho com a fotografia e figurino colaborou para tal experiência. O som tão limpo faz com que o bater dos garfos, as borbulhas da água fervendo, o mastigar, os passos, o respirar sejam parte primordial para imersão na narrativa.

Em meio às tensões do pós-guerra, crise política, econômica e social, dentre desavenças e incertezas, Aldo e Klara – na tentativa de reconstruir suas histórias – são o que chamamos hoje de novo “modelo” de família. Vale conferir.

por Carla Mendes – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Trilha sonora é destaque em novo vídeo de “Aves de Rapina” Trilha sonora é destaque em novo vídeo de “Aves de Rapina”
Watch TV disponibiliza duas temporadas de “As Tartarugas Ninja” Watch TV disponibiliza duas temporadas de “As Tartarugas Ninja”
“Sapatinho Vermelho e os Sete Anões” ganha primeiro teaser e pôster nacional “Sapatinho Vermelho e os Sete Anões” ganha primeiro teaser e pôster nacional
“1917” – Universal produz série de vídeos sobre a Primeira Guerra Mundial “1917” – Universal produz série de vídeos sobre a Primeira Guerra Mundial
© 2020 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.