Crítica: “As Aventuras de Pi”

Um jovem indiano, uma zebra, um orangotango fêmea, uma hiena, um tigre e um barco à deriva no oceano Pacífico. São esses componentes à primeira vista sem nenhuma conexão possível que dão o tom a uma das produções mais surpreendentes dos últimos tempos.

“As Aventuras de Pi” (Life of Pi), novo trabalho do diretor Ang Lee, narra a emocionante história de Piscine Patel (Suraj Sharma), que desde muito cedo passa por experiências que o fazem questionar sobre a grandiosidade da vida e a veracidade sobre Deus.

Do bullying sofrido por causa de seu nome (que perde importância quando passa a usar o codinome Pi – em alusão ao número matemático), à rigidez de sua criação – que inclui um pai que não se furta em mostrar “a realidade” como ela é – tudo em sua vida poderia render um livro. E essa é a proposta inicial do longa ao mostrar o protagonista mais velho contando sua história a um escritor.

Visualmente perfeito, o filme ganha força a partir do momento em que ocorre o grande naufrágio com o barco que levava os pais e o irmão de Pi da Índia para o Canadá, a fim de começarem uma nova etapa no país. Com eles, também viajavam os animais que faziam parte do zoológico local, de propriedade do patriarca da família.

Único sobrevivente da tragédia, o garoto se vê no meio do nada, tendo por companhia somente alguns animais. Com personalidades tão distintas e necessidades latentes, a batalha pela sobrevivência dentro de um pequeno bote mostra-se uma missão muito complicada.

Até que sobra apenas o imponente Richard Parker, tigre que era a principal atração do zoológico. Sem nenhuma experiência como domador, nada resta ao jovem a não ser aprender a conviver com o perigo em tempo integral por 227 dias – tenha ele a forma de uma tempestade, um tigre ou criaturas marítimas.

Tudo no longa impressiona. A qualidade de imagens – e do uso do 3D – que em momento nenhum nos permite lembrar que o tigre é, na maioria das aparições, feito digitalmente. A simplicidade da história, que a torna tão complexa aos olhos de quem a acompanha apenas através de uma tela de cinema ou das páginas de um livro (a trama é baseada na obra original de Yann Martel, publicada em 2001). A facilidade com que os acontecimentos fluem em pouco mais de duas horas, sem que sintamos o tempo passar.

E não será nenhuma surpresa se, ao término da sessão, a maioria dos espectadores permanecer em suas cadeiras, refletindo sobre a real importância das coisas em suas vidas, enquanto enxugam as lágrimas que facilmente correrão ao se conhecer a mágica, encantadora e incrível jornada de um jovem que escolheu, apesar de todas as visíveis dificuldades, sobreviver…

Absolutamente imperdível.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Netflix confirma o início da produção de “Rebelde” Netflix confirma o início da produção de “Rebelde”
Fandangos lança versão em formato de mini espigas Fandangos lança versão em formato de mini espigas
Saiba quem são os vencedores do Globo de Ouro 2021 Saiba quem são os vencedores do Globo de Ouro 2021
IGN Fan Fest: Assista aos créditos iniciais de “Zack Snyder’s Justice League” IGN Fan Fest: Assista aos créditos iniciais de “Zack Snyder’s Justice League”
© 5768 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.