Crítica: “Atômica”

Uma serial killer condenada à morte. Governante em um reino dominado pelo gelo. Imperatriz em um mundo pós-apocalíptico. Terrorista tecnológica num universo de velocidade. A versátil camaleoa Charlize Theron está de volta aos cinemas em seu novo trabalho, “Atômica” (Atomic Blonde), baseado na graphic novel “The Coldest City”, de Antony Johnston e Sam Hart.

Dessa vez, sob a direção de David Leitch, a atriz dá vida à espiã inglesa Lorraine Broughton, cuja mais recente missão envolve encontrar / confiscar uma lista com nome de traidores que interessa a agências governamentais de diversos países, tonando-se um objeto bastante disputado por seu valioso teor.

É através de flashbacks narrados durante um interrogatório na sede do MI6, mediado pelos personagens de John Goodman e Toby Jones, que temos acesso à boa parte da história. Entre um cigarro e outro – consumidos quase que compulsivamente por Lorraine – sabemos detalhes dos acontecimentos da trama que se passa no ano de 1989, na Alemanha, dias antes da Queda do Muro de Berlim.

Para ajudar em sua perigosa empreitada, a protagonista forma uma dupla improvável com David Percival (James McAvoy), homem inteligente e cheio de nuances psicológicas, que consegue confundir a plateia sobre a conclusão de qual lado está, até praticamente os instantes finais – o que é sempre um ponto positivo em longas de espionagem. Nesse meio tempo, ainda sobra tempo para conhecer e se envolver – de várias formas – com a misteriosa Delphine (Sofia Boutella).

A trilha sonora composta por clássicos que vão de New Order a George Michael, com direito a The Clash e A Flock of Seagulls, é daquelas para se ter na lista de favoritos. A curiosidade fica para o fato da faixa “99 Luftballons”, de Nena, ter sido escolhida para ajudar a compor as trilhas de mais dois filmes de gêneros distintos esse ano: “Meu Malvado Favorito 3” e “Bingo – O Rei das Manhãs”.

Fazendo uso de artifícios amplamente aceitos nesse tipo de produção, como lutas cujas coreografias são de encher os olhos, e inúmeras reviravoltas (afinal, nem tudo é o que parece, ainda mais quando a narrativa se passa nos anos 1980), “Atômica” chega com todo jeito de quem quer – pode e deve – se tornar uma nova e bem-sucedida franquia de ação.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Culturama lança “O Essencial do Zé Carioca: Celebrando os 80 Anos da sua Estreia” na Bienal Culturama lança “O Essencial do Zé Carioca: Celebrando os 80 Anos da sua Estreia” na Bienal
“Minions 2: A Origem de Gru” é a maior abertura de animação dos últimos dois anos “Minions 2: A Origem de Gru” é a maior abertura de animação dos últimos dois anos
“Origami”, livro de Maíra Carvalho, ganha sessão de autógrafos na Bienal do Livro “Origami”, livro de Maíra Carvalho, ganha sessão de autógrafos na Bienal do Livro
Grace Gianoukas comemora 40 anos de carreira com o Espetáculo “Grace Em Revista” Grace Gianoukas comemora 40 anos de carreira com o Espetáculo “Grace Em Revista”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.