Crítica: “Belle”

Embora eu tenha enorme apego às versões originais de obras que me são queridas, encaro com bons olhos quando se fazem releituras dignas delas. “Belle” é um desses surpreendentes / bem-vindos casos.

Escrito e dirigido por Mamoru Hosada, o anime evoca os elementos essenciais do clássico “A Bela e a Fera” para contar a história de Suzu (voz de Kaho Nakamura), jovem de 17 anos que vê sua vida mudar de forma radical quando a mãe morre tentando salvar uma criança do afogamento.

Vivendo apenas com o pai, a protagonista – que passa pela sempre complicada fase da adolescência, com direito a questionamentos sobre a própria aparência e amor platônico – deixa de lado seu dom para o canto e torna-se uma pessoa exageradamente introspectiva, cuja única amiga próxima é Hiroka (voz de Rira Ikuta), garota com grande habilidade para lidar com assuntos que envolvem tecnologia e que vai sugerir a entrada de Suzu no mundo de U.

A referida Comunidade de Internet conta com 5 bilhões de usuários e apresenta uma outra realidade, na qual, através de informações biométricas e compartilhamento corporal, é possível criar um avatar e “começar uma vida nova” com uma persona que engloba as principais qualidades do indivíduo em frente à tela do computador/celular.

É nesse cenário que Suzu se transforma em Bell (mais tarde chamada de Belle por sua legião de fãs) e reencontra a paixão pela música, logo reconhecida pelos demais usuários da plataforma que a transformam em uma espécie de superstar digital. E onde conhecerá o avatar nomeado como Dragão, cuja aparência bestial e atitudes violentas o fazem ser perseguido por quem deseja seu banimento do metaverso.

Se, a princípio, a narrativa parece ter como base fundamental apenas a história imortalizada pela versão animada da Disney lançada em 1991 (com a produção mais recente sendo o live-action de 2017, protagonizado por Emma Watson), é com grande sabedoria que utiliza outros simbolismos e transforma o estigma do “amor verdadeiro” em algo muito mais profundo, e até mesmo necessário aos dias atuais.

A disparidade entre os dois mundos é o que melhor dá a tônica à produção. Enquanto a rotina de Suzu é monótona – até mesmo nas cores usadas para representar suas atividades – o universo proposto por U é repleto de tons vibrantes, luzes e elementos chamativos. Diante deste quadro, parece mais fácil entender o porquê do fascínio que o virtual exerce sobre tantas pessoas hoje em dia.

“Belle” é incrível sob vários aspectos. Surpreende, encanta, emociona e faz pensar nos momentos certos. Tudo ao som de uma excelente trilha sonora – imprescindível para contar a história de uma personagem que tem na música um refúgio e uma paixão – e com um deslumbrante visual que sabe mesclar com maestria o uso do 2D e do 3D para criar empatia e profundidade.

Imperdível.

por Angela Debellis

*Título assistido em Cabine de Imprensa Virtual promovida pela Paris Filmes.

Filed in: Cinema

You might like:

Elite Filmes divulga trailer legendado do premiado terror “Post Mortem” Elite Filmes divulga trailer legendado do premiado terror “Post Mortem”
Espetáculo “Maria da Escócia” estreia no Teatro Cacilda Becker Espetáculo “Maria da Escócia” estreia no Teatro Cacilda Becker
Crítica: “Top Gun: Maverick” Crítica: “Top Gun: Maverick”
DIRECTV GO celebra o Dia do Orgulho Nerd com programação especial DIRECTV GO celebra o Dia do Orgulho Nerd com programação especial
© 0700 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.