Crítica: “Bingo – O Rei das Manhãs”

Pensando numa escala global, os Anos 80 foram escandalosamente ricos na criação de ícones, nos mais diversos setores. De esportes a política, de comportamento a vestuário. Mas talvez nenhum tenha sido mais beneficiado que o entretenimento.

E foi assim que, no primeiro ano da década, estreou um programa na tv brasileira, que marcaria uma geração inteira e surpreenderia pela qualidade exibida nas telas e polêmicas geradas nos bastidores (profissionais e pessoais).

Fruto da marca americana criada por Alan Livingston em 1946, o palhaço Bozo encontrou sucesso nos mais diversos países. Sua adaptação nacional foi responsável por altos índices de audiência, que fizeram a atração permanecer no ar por até 8 horas diárias, durante 11 anos.

Vivido por mais de um ator, o personagem teve entre seus intérpretes o controverso Arlindo Barreto, cuja história chega aos cinemas através do surpreendente longa “Bingo – O Rei das Manhãs”, dirigido por Daniel Rezende. Vale destacar que quase todos os nomes foram alterados, devido a restrições contratuais com a marca em questão – apenas o da cantora Gretchen manteve-se inalterado.

Dito isso, o que se apresenta na telona é a trajetória do ator de pornochanchadas Augusto Mendes (Vladimir Brichta, em momento inspirado da carreira), que vê sua situação mudar ao conseguir o papel principal em um novo programa infantil dirigido pela severa Lúcia (Leandra Leal) – grande aposta de uma emissora que almeja aproximar-se de sua concorrente direta.

Ao dar um toque tipicamente brasileiro – ou como ele mesmo diz, “acrescentar pimenta” – ao aqui chamado ‘Bingo’, Augusto consegue agradar o público infantil – que não via o menor problema em interagir, por exemplo, com uma cantora (interpretada por Emanuelle Araújo) cuja base das canções e coreografias era a sensualidade. Uma diferença radical desde o primeiro roteiro escrito para o programa – uma tradução quase literal do usado nos Estados Unidos.

O sucesso meteórico também traz consigo o excesso do consumo de cocaína e álcool, o sexo desregrado, a piora na relação com a ex-esposa Angélica (Tainá Müller) – protagonista da novela principal da emissora rival – e o afastamento de seu filho único, Gabriel (Cauã Martins) que passa a ver no pai alguém que brinca com todas as crianças, menos com ele.

Momentos memoráveis como aquele em que, durante um telefonema, um telespectador mirim ofende o palhaço com um palavrão dito ao vivo em rede nacional dão lugar a situações críticas como a expulsão de Augusto de um evento, no qual seu programa havia acabado de sagrar-se vencedor, porque os seguranças não reconheceram o ator sem a maquiagem (uma das normas mais rígidas do contrato era a total ocultação de sua identidade real).

E os espectadores deixam as risadas de lado, para acompanhar a velocidade com que a carreira de apresentador de Augusto despenca ladeira abaixo, de maneira aparentemente irreversível.

Para quem foi criança da década de 1980, o filme é uma viagem regada à nostalgia, na qual é possível ouvir uma seleção bem eclética de músicas inesquecíveis, que vão de Doutor Silvana & Cia. a Echo and the Bunnyman, e rever uma parte importante do que ajudou a compor a área de entretenimento do período.

Destaque para a participação de Domingos Montagner, como uma espécie de mentor do protagonista e para os incríveis créditos iniciais que trazem imagens de fatos / pessoas relevantes da época, além da utilização de fontes mais ‘características’ nas cenas que necessitam de legendas. Para aproveitar ainda mais a experiência, não se esqueça de ajustar o tracking de seu videocassete!

Imperdível.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Atendendo aos pedidos de fãs, canal Viva estreia ‘Malhação 1996’ e ‘Malhação 2009’ Atendendo aos pedidos de fãs, canal Viva estreia ‘Malhação 1996’ e ‘Malhação 2009’
Confira lista com cinco momentos do final da 1ª temporada de “9-1-1 Lone Star” Confira lista com cinco momentos do final da 1ª temporada de “9-1-1 Lone Star”
Os bastidores da Revolução Cubana chegam ao streaming, em documentário inédito Os bastidores da Revolução Cubana chegam ao streaming, em documentário inédito
Pluto TV exibe especial Oscar com filmes inéditos na plataforma Pluto TV exibe especial Oscar com filmes inéditos na plataforma
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.