Crítica: “Brinquedo Assassino”

Entre tantas riquezas culturais que a década de 1980 foi capaz de produzir (muitas ainda vigentes em dias atuais), há de se destacar o gênero terror nos cinemas. Mais do que isso, esta foi a época em que se tornou corriqueira a situação de ansiar por um filme que assustasse de fato, mas contentar-se com uma produção que também fizesse rir entre um susto e outro.

Assim, dirigido por Tom Holland, surgiu “Brinquedo Assassino” (Child’s Play) em 1988, franquia que conseguiu o grande feito de produzir sete filmes a partir da ideia original de Don Mancini que mostrava um boneco possuído pela alma de Charles Lee Ray (Brad Dourif), um serial killer que precisava de um corpo humano – no caso, o do garotinho Andy Barclay (vivido por Alex Vincent) para “voltar à vida”.

Com a motivação estabelecida, o que se viu em tela foi um estranho boneco ruivo (que de “Bonzinho” só tinha mesmo o nome), sem o menor limite ou pudor em exterminar quem se pusesse entre ele e seu objetivo – isso, é claro, devido ao sadismo do assassino que permaneceu intocado, mesmo agora estando em um pequeno corpo de vinil.

Na versão que chega aos cinemas em 2019, sob a direção de Lars Klevberg, parte da essência ainda está lá, principalmente na manutenção da aparência e do figurino de Chucky (embora suas expressões faciais estejam muito mais elaboradas) e no nome do garoto que o ganha de presente – que não é mais um menininho de 6 anos, e sim um pré-adolescente de cerca de 14 (interpretado por Gabriel Bateman).

Mas as semelhanças param por aí. Sai o boneco possuído para a entrada de uma inteligência artificial. Sai a tentativa de usar um corpo humano como “invólucro de alma” para a inclusão de um relacionamento entre amigos que beira o abusivo, graças ao ciúme excessivo de uma das partes.

“Buddi” é uma linha de brinquedos da qual Chucky (dublado por Mark Hamill na versão em inglês) faz parte e que tem como principal atrativo a capacidade de conectar-se aos mais diversos serviços fornecidos pela Kaslan Corporation, com comandos que vão de ligar a televisão a solicitar um carro inteligente através de um aplicativo. Mas, ao ter todas suas “travas” desativadas por um funcionário infeliz com seu serviço, abrem-se novas e perigosas possibilidades.

Tal amplitude poderia ser desenvolvida de maneira muito mais extensa e convincente, afinal, a ameaça simbolizada por figuras robóticas, frutos de tecnologias assombrosas, parece cada vez mais um risco real. Mas o tal controle exercido pelo boneco fica restrito “apenas” a atitudes que afetam um grupo pequeno de pessoas (todas do círculo social de Andy e sua mãe Karen – interpretada por Aubrey Plaza), mas sem riscos para a sociedade em geral – exceção feita para uma sequência nos instantes finais.

O longa não se furta em usar recursos bem característicos da franquia original, como sustos aleatórios e cenas bastante explícitas envolvendo o bom e velho sangue cenográfico. Esse é o ponto mais positivo da narrativa que, assim como os longas anteriores, não encontra seu gênero dominante, ora pendendo para o terror (trash), ora fazendo a plateia rir.

Para quem é fã do Chucky oitentista, a sensação ao término da exibição é estranha. Se tínhamos óbvia raiva do protagonista dominado pelo serial killer, dessa vez é mais fácil sentir pena do boneco em alguns momentos já que, ainda que por caminhos bem tortos, exagerados e questionáveis (e com um canção tema tão fofa quanto arrepiante), este parece querer ser – a seu modo – o tal amigo que sua imagem vende aos consumidores.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Evento on line gratuito ensina a realizar edição em fotografias Evento on line gratuito ensina a realizar edição em fotografias
“Hotel Transilvânia: Transformonstrão” ganha teaser e data de estreia do trailer oficial “Hotel Transilvânia: Transformonstrão” ganha teaser e data de estreia do trailer oficial
McLanche Feliz traz pelúcias da TY Glow in the Dark como novidade McLanche Feliz traz pelúcias da TY Glow in the Dark como novidade
Star+: Novo serviço de streaming chega ao Brasil em 31 de agosto Star+: Novo serviço de streaming chega ao Brasil em 31 de agosto
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.