Crítica: “Bumblebee”

Em maio de 1985, a Estrela Brinquedos lançou a linha Transformers no Brasil. Dois desses carrinhos – incluindo um Bumblebee – me foram dados por meu pai e se tornaram xodós, até hoje, em minha vasta coleção de brinquedos.

O pequeno fusca amarelo, que conquistou meu coração há 33 anos, foi visto em desenhos animados e adaptações cinematográficas (estas, sob a direção de Michael Bay) e agora, alcança seu lugar mais do que merecido de protagonista, com a chegada de “Bumblebee” às telonas.

O trama do longa dirigido por Travis Knight (dessa vez, com Michael Bay como um dos produtores) se passa nos anos de 1980 e esse é só o primeiro dos muitos acertos da produção. Charlie Watson (Haille Stenfeld) é uma jovem de recém-completados 18 anos, que se vê de alguma forma deslocada do mundo desde o falecimento de seu pai – ainda que sua mãe Sally (Pamela Adlon) pareça bastante disposta a inseri-la nas atividades rotineiras da família, agora composta também por seu irmão mais novo Otis (Jason Druker) e seu padrasto Ron (Stephen Schneider).

O encontro com o Autobot acontece de maneira inesperada e mostra ser o promissor início de uma grande amizade. Diferentemente do que poderia ser a reação da maioria das pessoas, Charlie não teme a suntuosa figura do personagem em sua forma de robô, inclusive tomando para si a missão de protegê-lo de quem poderia lhe fazer mal – entendam-se membros do exército americano – grupo encabeçado por Agente Burns (John Cena), no papel que mais lembra os bons e velhos filmes de ação oitentistas.

É claro que há batalhas colossais entre Autobots e Decepticons – a sequência inicial passada em Cybertron é de encher os olhos e consegue explicar de maneira competente o motivo da vinda do soldado B-127 (que mais tarde ganharia o nome de Bumblebee por fazer um barulho semelhante ao dessa abelha) à Terra. A guerra iniciada no longínquo planeta pode ter ramificações por aqui caso os vilões descubram o paradeiro do protagonista.

Mas, ainda que as transformações robóticas (que incluem, pela primeira vez, a aparição de Triple Changers – robôs que podem se transformar em dois veículos diferentes) sejam incríveis, o filme ganha a simpatia do público por sua história simples, direta e eficiente. Para os saudosistas, rever nos cinemas a aura quase mítica que envolve os anos de 1980 é um sempre bem-vindo retorno à marcante época. Para os espectadores mais recentes, é a oportunidade de ver como as produções conseguiam se equilibrar entre o plausível e o fantástico com facilidade.

Para recriar a época com ainda mais perfeição, vale destacar a cenografia, o figurino e a excelente trilha sonora, que conta com nomes como A-ha (onipresente em todos os longas atuais cujo roteiro se passa na aclamada década), The Smiths e Simple Minds – cuja execução da faixa é responsável por um dos momentos mais adoráveis do longa. Sem contar o nada explícito e muito fofo início de relação entre Charlie e Memo (Jorge Lendeborg Jr.).

Como fã do personagem, seja em seu formato de brinquedo, animação ou filmes prévios, saí feliz da sala e com a sensação de que esse pode ser um magnífico recomeço (ou seria um novo caminho?) para os queridos carros/robôs se firmarem ainda mais no cinema.

Imperdível.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Amazon Prime Video divulga trailer oficial da série Original Amazon “Truth Seekers” Amazon Prime Video divulga trailer oficial da série Original Amazon “Truth Seekers”
Assista ao trailer oficial de “Como Cães e Gatos 3: Peludos Unidos!” Assista ao trailer oficial de “Como Cães e Gatos 3: Peludos Unidos!”
“O Auto da Compadecida” está de volta à tela grande em comemoração aos 20 anos do seu lançamento “O Auto da Compadecida” está de volta à tela grande em comemoração aos 20 anos do seu lançamento
Amazon Prime Video divulga cartaz oficial da série Original Amazon “Truth Seekers” Amazon Prime Video divulga cartaz oficial da série Original Amazon “Truth Seekers”
© 2020 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.