Crítica: “Cadê você, Bernadette?”

O longa “Cadê você, Bernadette?” (Where’d You Go, Bernadette?) estrelado por Cate Blanchett é uma adaptação do livro homônimo escrito por Maria Semple em 2013. A produção dirigida por Richard Linklater promete nos dar uma nova perspectiva sobre a forma como enxergamos nossos próprios fantasmas.

Bernadette (Cate Blanchett) vive em uma casa enorme, que antes era um colégio de freiras, por isso conta com um vasto território. Porém, a residência não está nas melhores condições e o quintal está tomado por amoreiras que incomodam a vizinha Audrey (Kristen Wiig), por quem Bernadette não nutre os melhores sentimentos – aliás, ela tem dificuldades claríssimas em se relacionar com qualquer outro ser humano além da filha e o marido.

Inclusive, a arquiteta – que não exerce a profissão – tem um secretária virtual indiana chamada Manjula, a quem ela encarrega de toda e qualquer atividade corriqueira, como pequenas compras, agenda médica e demais burocracias da vida adulta, tudo para se livrar das relações interpessoais.

Só que isso muda quando sua filha Bee (Emma Nelson) quer de presente uma viagem para a Antártica, o que vai desestruturar o emocional de Bernadette que tentará a todo custo encontrar uma desculpa para não precisar fazer o passeio em família.

A obra tem um quê de “cotidiano”, são pequenos conflitos que a maioria dos seres humanos já enfrentou: problemas entre vizinhos, uma relação desgastada, inseguranças, medos quanto à saúde mental. A leveza com que Linklater conduz deixa tudo muito natural e a atuação de Blanchett está impecável, embora sem novidades.

O filme faz uma ótima dosagem entre comédia e drama, não faz gargalhar ou chorar desesperadamente, contudo é impossível não liberar alguns sorrisos ou refletir sobre alguns pontos apresentados. De repente nos pegamos torcendo por Bernadette, para que ela saia da sua zona de conforto, que tome o controle de sua vida – ao longo da trama podemos observar o crescimento do personagem de Cate.

Um dos momentos mais divertidos é embalado pelo hit dos anos 1980, “Time after Time”, da contora Cyndi Lauper – a música que faz parte da trilha sonora é, no mínimo, nostálgica.

Vale lembrar que essa é uma análise apenas da produção cinematográfica, já que não li o livro no qual se baseia e os fãs da obra literária podem ou não aprovar a adaptação. Com belas paisagens, um elenco de peso e uma história apaixonante, “Cadê você, Bernadette?” é mais um daqueles filmes que vemos no cinema, ansiosos para que comecem as dezenas de reprises na televisão.

por Carla Mendes – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Editora Luz da Serra lança “Minuto da Gratidão” Editora Luz da Serra lança “Minuto da Gratidão”
Estrelada por Renée Zellweger, cinebiografia de Judy Garland ganha primeiro trailer Estrelada por Renée Zellweger, cinebiografia de Judy Garland ganha primeiro trailer
Crítica: “A Grande Mentira” Crítica: “A Grande Mentira”
Crítica: “O Reino Gelado: A Terra dos Espelhos” Crítica: “O Reino Gelado: A Terra dos Espelhos”
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.