Crítica: “Casal Improvável”

É mês dos namorados e o amor está no ar com essa comédia que ilustra muito bem as relações pessoais e amorosas no ambiente de trabalho, e como o fato de ser uma pessoa pública pode interferir radicalmente nas escolhas que tomamos.

Dirigido por Jonathan Levine, “Casal Improvável” (Long Shot) conta a história do jornalista Fred Flarsky (Seth Rogen), que decide se demitir do jornal onde trabalhava após ocorrer mudanças na diretoria do local.

Para esquecer os problemas, ele vai a uma festa com seu amigo Lance (O’Shea Jackson Jr.), onde encontra sua antiga babá Charlotte Field (Charlize Theron), que agora é Secretária de Estado americano, e futura candidata à presidência dos EUA. Charlotte então decide contratar Fred para redigir os discursos de suas campanhas, no entanto, o clima entre eles ultrapassa as relações profissionais.

O longa é cheio de referências a respeito das polêmicas que estão inseridas em nossa sociedade, como o machismo: todas as vezes que a Secretária de Estado apare publicamente ou realiza um discurso, os apresentadores de um programa de tv a depreciam, tacham-na com adjetivos fúteis como se ela apenas tivesse beleza e não competência para realizar o seu trabalho. Outra questão é o patriarcalismo, já que em diversos momentos Charlotte é pressionada a desistir das propostas que apresentava em sua campanha, porque não agradava a alguns representantes com cargos acima do seu – em sua totalidade homens.

Quando pensamos em relações midiáticas, pensamos em algum tipo de interesse, imagem, boa reputação, entre outras coisas. Sabemos que qualquer fiasco pode ser crucial para manchar a imagem de alguém e a futura candidata à presidência também sofre com este tipo de assédio causado principalmente pelos apresentadores de tv, além de chantagens realizadas pelo presidente de uma empresa que almejava a queda da candidata. O filme também debate assuntos como o preconceito e a intolerância política e religiosa.

A produção surpreende por ser uma comédia romântica diferente das que estamos acostumados, ter diálogos bem elaborados, fugir um pouco do famoso clichê – a única obviedade nesse tipo de comédia é que o casal vai ficar junto, mas o percurso até esse caminho é muito bem construído, são personagens que têm altos e baixos tanto na vida pessoal, quando profissional, igual a qualquer outra pessoa.

Charlize Theron e Seth Rogen fazem o par perfeito: os atores têm uma química muito grande, e seus personagens transmitem uma conexão bem bacana, daquele tipo que faz a gente torcer pelo relacionamento. A música escolhida para embalar o romance do casal foi “It Must Have Been Love” – grande sucesso da dupla de pop rock sueca Roxette, o que dá um ar nostálgico ao longa e que deve deixar grande parte da plateia apaixonada pela vivência dos protagonistas.

por Victória Profirio – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

AMPARA Animal faz projeções de animais para adoção em prédio no centro de São Paulo AMPARA Animal faz projeções de animais para adoção em prédio no centro de São Paulo
Ainda dá para conhecer o espaço “Maluquinho por Robótica” no Shopping Campo Limpo Ainda dá para conhecer o espaço “Maluquinho por Robótica” no Shopping Campo Limpo
“Matrix Resurrections” ganha data para chegar à HBO Max “Matrix Resurrections” ganha data para chegar à HBO Max
Gloob apresenta a quinta edição do “Rolê Gloob” Gloob apresenta a quinta edição do “Rolê Gloob”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.