Crítica: “Cemitério Maldito”

Em 1989, acordes de uma canção da banda Ramones, composta por Dee Dee Ramone e Daniel Rey, entraram para a história da indústria musical ao pregar “Eu não quero ser enterrado em um cemitério para animais… Eu não quero viver minha vida de novo”.

A letra da música que virou tema de “Cemitério Maldito” (Pet Sematary), e que agora ressurge em um cover executado pela banda Starcrawler, faz alusão ao local amaldiçoado da narrativa, o qual permite que aqueles que nele são enterrados, retornem à vida – ainda que de uma maneira bem diferente da sua rotina anterior à morte. E agora, pode-se dizer que também serve como metáfora para se tratar do ainda muito polêmico assunto “remake”.

Baseado na obra homônima de Stephen King (cujo título em tradução literal é “Cemitério de Animais”), o terror retorna aos cinemas depois de 30 anos com uma trama tão simples quanto assustadora. Nela, quando o médico Dr. Louis Creed (Jason Clarke) se muda com a esposa Rachel (Amy Seimetz) e seu casal de filhos para a cidade de Ludlow, localizada na área rural do estado do Maine, uma série de infortúnios faz com que sua vida a as daqueles que ama virem de cabeça para baixo.

O atropelamento de Church, gato de sua filha mais velha, Ellie (Jeté Laurence), faz com que o protagonista conheça um local ermo no meio de uma floresta próxima aos fundos de sua residência. Orientado por Judd Crandall (John Lithgow), vizinho de aparência misteriosa e que parece guardar toda gama de segredos da região, ele enterra o animal em determinado ponto, durante uma espécie de cerimônia. Como resultado, o felino retorna à casa, mas nitidamente há algo de errado com ele.

Quando outro acidente vitima a garotinha, apesar da hesitação inicial, Louis decide praticar o mesmo ritual questionável para trazer a criança de volta (como visto no trailer oficial do longa divulgado pela Paramount Pictures), o que não é preciso muito esforço para imaginar que será uma péssima ideia – para dizer o mínimo.

Com toda simplicidade – e até certa inocência exagerada e inverossímil – as produções da década de 1980 e parte de 1990 conseguiram alcançar um patamar de excelência que as transformou em ícones dos mais variados gêneros cinematográficos e assim também foi com o terror. Ao fazer tentativas de “atualização” de determinadas obras, perde-se parte da essência que as torna especiais.

No caso deste remake de “Cemitério Maldito” dirigido por Kevin Kölsch e Dennis Widmyer, há uma clara intenção em aproximar a trama de outras vistas recentemente, inclusive fazendo uso de recursos bem contemporâneos. Isso faz com que o título caia naquela faixa em que pode ser visto como um bom filme – por momentos que contam com o eficaz uso de iluminação e trilha sonora, mas também como uma adaptação questionável – ainda mais quando altera de maneira tão radical pontos fundamentais da história na qual se baseia.

Vale dizer que há easter-eggs bem interessantes – e rápidos! – de outras obras de Stephen King que devem ser percebidos apenas pelos fãs mais atentos que conhecerem trabalhos originais / adaptações anteriores do autor.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Estrelado por Robert Downey Jr., ‘Dolittle’ está entre as estreias da semana no Looke Estrelado por Robert Downey Jr., ‘Dolittle’ está entre as estreias da semana no Looke
Warner Bros. Pictures e Telecine anunciam o primeiro longa-metragem de Luccas Neto Warner Bros. Pictures e Telecine anunciam o primeiro longa-metragem de Luccas Neto
Abbraccio leva tradição italiana para dentro da casa dos consumidores Abbraccio leva tradição italiana para dentro da casa dos consumidores
Fabiano de Abreu lança novo livro onde explica os sete pecados capitais pela ótica da filosofia Fabiano de Abreu lança novo livro onde explica os sete pecados capitais pela ótica da filosofia
© 2020 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.