Crítica: “Círculo de Fogo: A Revolta”

Em 2013, o diretor Guillermo del Toro (que recentemente acrescentou vários prêmios, incluindo o Oscar pela direção de “A Forma da Água”, em seu currículo) levou às telas de cinemas dois elementos ao mesmo tempo clássicos e infalíveis: robôs gigantes em franco combate com monstros igualmente titânicos. A mistura épica deu certo e fez de “Círculo de Fogo” um dos filmes favoritos dos fãs naquele ano.

Cinco anos depois – e sob sua arrepiante música tema – os Jaegers e os Kaijus estão de volta, sem o frescor da novidade, porém mantendo a mesma imponência visual, que é quesito obrigatório em produções do gênero. A trama de “Círculo de Fogo: A Revolta” (Pacif Rim: Uprising) se passa uma década após os acontecimentos vistos no longa anterior e tem como protagonista Jake Pentecost (John Boyega), filho de Stacker Pentecost (Idris Elba), que salvou a humanidade da primeira vez.

O jovem não demonstra inclinação em seguir os passos do pai como parte da equipe responsável pelo controle dos robôs – que mesmo após esse grande período de calmaria, continua a postos para qualquer (óbvia) eventualidade. Mas, a fim de se livrar de problemas com a polícia, atende ao pedido de sua irmã adotiva Mako Mori (Rinko Kikuchi) e aceita a missão de ajudar o ex-colega de trabalho Nate Lambert (Scott Eastwood) a treinar adolescentes que visam tornarem-se pilotos de Jaegers, entre eles a promissora Amara (Cailee Spaeny), que montou seu próprio “mini Jaeger” com peças de sucata.

Como não chega a ser inesperado, a produção dirigida por Steven S. DeKnight (Del Toro agora assina apenas como produtor) começa a ganhar vida com a movimentação daqueles que são interessantes de verdade em tela. E dessa vez, devido a um fato bizarro (mas explicado com segurança), os monstros surgem ainda mais poderosos / perigosos e engajados naquela ideia que pode soar batida, mas que ainda dá arrepio em muita gente: a extinção total da raça humana.

Destaques para o retorno de Dr. Hermann Gottlieb (Burn Gorman) e Newton Geiszler (Charlie Day) personagens que permanecem interessantes e cujos papéis são de suma importância para o desenrolar da narrativa. Também vale destacar as previsíveis, mas bem desenvolvidas reviravoltas na história, que dão sentido a muitas coisas que pareciam contradições soltas no vento.

Se esse tipo de filme não carece de um roteiro muito elaborado, por outro lado tem “obrigação” de satisfazer o público com bons efeitos visuais e isso é cumprido. As lutas são intensas e consistentes – apesar de, em alguns momentos e devido a algumas decisões diferentes das apresentadas no primeiro longa, terem me lembrado muito o estilo adotado pela franquia “Transformers”.

Longe de ser uma obra de arte (nem creio que essa tenha sido alguma vez a intenção de seus produtores), “Círculo de Fogo: A Revolta” ainda consegue ser uma opção válida de entretenimento.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Pessoas cegas e com baixa visão participam de teste de acessibilidade em cinema Pessoas cegas e com baixa visão participam de teste de acessibilidade em cinema
McLanche Feliz traz os filmes mais icônicos da DreamWorks em nova campanha com brinquedos sustentáveis McLanche Feliz traz os filmes mais icônicos da DreamWorks em nova campanha com brinquedos sustentáveis
Desvendando a Marvel: Produções do Disney+ para entender os Bastidores do Estúdio Desvendando a Marvel: Produções do Disney+ para entender os Bastidores do Estúdio
Mercado Livre e Omelete entregam spoilers da CCXP Mercado Livre e Omelete entregam spoilers da CCXP
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.