Crítica: “Coringa”

“Quando se olha muito tempo para um abismo, o abismo olha para você”. Talvez a frase do filósofo alemão Friedrich Nietzsche consiga passar uma pequenina ideia do que acontece com o protagonista de “Coringa” (Joker), aguardada produção dirigida por Todd Phillips, que surge como a possível precursora de títulos do selo DC Dark para os cinemas e apresenta uma nova e totalmente convincente origem para um dos (em minha opinião, o melhor) mais populares vilões dos quadrinhos e da cultura pop em geral.

Ainda que haja diversos filmes de extrema qualidade no gênero – reconhecidos pela maior parte do público e crítica -, classificar o longa como “apenas” uma produção baseada em quadrinhos seria resumi-lo de maneira pouco justa. A história de origem mais famosa, mas não considerada oficial, mostrada em “A Piada Mortal”, flerta com o exagero fantasioso (qual a real probabilidade de um ser humano sem super-poderes sobreviver a uma queda com imersão total em um tonel de ácido?) e em nada se assemelha ao levado à tela.

A trama nos apresenta Arthur Fleck (Joaquin Phoenix em interpretação merecedora de todos elogios e prêmios), uma figura comum entre tantas que vivem na decadente Gotham City. Assim como a cidade, o personagem também enfrenta toda sorte de problemas e parece não ter forças suficientes para combatê-los.

Do bullying praticado por adolescentes mesquinhos que consideram seu trabalho como palhaço animador de porta de lojas de bairro algo a ser ridicularizado, ao desinteresse visível da assistente social que o atende sem nunca enxergá-lo como algo mais do que uma estatística. Da vida miserável que leva ao lado da mãe doente ao fracasso que permeia sua desejada carreira como comediante de stand-up. São inúmeros elementos que levam o protagonista a entrar em uma espiral cada vez mais profunda de dor e loucura.

Some-se a esses fatores externos o incomum distúrbio que faz Arthur gargalhar em momentos inapropriados e o coloca em situações que vão de embaraçosas a temerárias. Este, aliás, é um dos pontos altos do filme, quando percebemos todas as nuances de suas risadas que transitam da clássica satisfação ao desespero absoluto, quando o personagem parece sufocar-se física e emocionalmente – o que causa uma sensação muito incômoda – mas pertinente / necessária – aos espectadores.

Os fatos se passam em 1981, época marcante e minimamente detalhada através dos figurinos e de uma cenografia impecável. Aliado a isso, uma trilha sonora vertiginosa (que, além dos pungentes temas instrumentais, também conta com as belíssimas “Smile”, de Jimmy Durante e “Send in the Clowns”, de Frank Sinatra) – que muitas vezes atinge a plateia de maneira indescritível – transforma a experiência de assistir à produção em uma verdadeira viagem no tempo, que nos conduz aos lados mais obscuros da fictícia Gotham City e desperta o interesse pela história de seus habitantes.

Assim como visto com Bruce Wayne (interpretado por Christian Bale) em “Batman Begins”, a transformação do protagonista acontece de maneira gradual. A queda moral de Arthur Fleck – humilhado e traído de todas as maneiras possíveis por aqueles que o cercam – culmina na ascensão do Príncipe Palhaço do Crime. Ainda que o caminho até o surgimento de Coringa seja calcado em dores que se juntam para suprimir o fio de esperança do sujeito humilde que sofre de uma doença mental e é seu verdadeiro alter-ego, existe um ponto determinado em que temos a certeza de que não existe mais retorno, o tal instante em que o abismo olha de volta e corrompe o que ainda havia de intacto em sua alma funesta.

Apesar de sempre buscar por spoilers (mas nunca passá-los adiante sem que me seja solicitado), fiquei feliz em ter entrado na sala de cinema sem nenhuma informação que não fossem as compartilhadas em trailers e artes oficiais da Warner Bros. Há tanto a ser descoberto, a ser vivido em 122 minutos de duração do filme, que saber muito sobre ele talvez tirasse em parte o impacto causado por seu roteiro – escrito por Todd Phillips e Scott Silver – desde o início até o fim da exibição.

São sentimentos que se misturam, e como Arthur consegue enxergar sua vida tanto como uma tragédia, como uma comédia, assim nos sentimos diante de “Coringa”. Com a mesma facilidade que rimos (na maioria das vezes, de nervoso), as lágrimas chegam em profusão; com a mesma surpresa que recebemos determinadas notícias, sentimos alívio em ver certas ações. Mas, cabe dizer que, apesar dessa montanha-russa emocional, em nenhum momento o longa dá razão às atitudes do protagonista, celebra sua vilania ou o coloca em um patamar de intocadas virtudes.

Quanto à polêmica sobre a possibilidade de incitação de violência, como em qualquer assunto, vale lembrar que este também tem dois lados: se fosse assim, qualquer produção de teor religioso ou motivacional bastaria para fazer com que as pessoas se tornassem mais empáticas e solícitas para com seus próximos. É imperdoável e leviano colocar suas próprias falhas morais nas costas de quem não tem responsabilidade alguma sobre elas.

Embora o texto tenha ficado longo, acredite: nada que foi dito chega nem perto do que “Coringa” significa. Esqueça opiniões pré-concebidas (próprias ou alheias) e comparações que não fazem nenhum sentido com outros títulos anteriores. Basta, ao apagar das luzes do cinema, levar consigo as palavras de outro grande pensador, Aristóteles: “Nunca existiu uma grande inteligência sem uma veia de loucura”.

Absolutamente imperdível.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

AMPARA Animal faz projeções de animais para adoção em prédio no centro de São Paulo AMPARA Animal faz projeções de animais para adoção em prédio no centro de São Paulo
Ainda dá para conhecer o espaço “Maluquinho por Robótica” no Shopping Campo Limpo Ainda dá para conhecer o espaço “Maluquinho por Robótica” no Shopping Campo Limpo
“Matrix Resurrections” ganha data para chegar à HBO Max “Matrix Resurrections” ganha data para chegar à HBO Max
Gloob apresenta a quinta edição do “Rolê Gloob” Gloob apresenta a quinta edição do “Rolê Gloob”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.