Crítica: “Delicioso – Da Cozinha para o Mundo”

Grandes ideais podem surgir em momentos de adversidade e, mesmo que haja receio em colocá-las em prática, não há como negar o quanto é gratificante vê-las tornarem-se realidade.

Assim acontece com Pierre Manceron (Grégory Gadebois), cozinheiro oficial do Castelo do Duque de Chamfort (Benjamin Lavernhe), protagonista de “Delicioso – Da Cozinha para o Mundo” (Délicieux), longa francês dirigido por Éric Besnard (que também assina o roteiro junto a Nicolas Boukhrief), cuja narrativa se passa durante o nascimento da Revolução Francesa em 1789, poucos meses antes da Queda da Bastilha.

Tencionando dar um toque de criatividade ao cardápio ofertado durante um jantar promovido pelo Duque a outros nobres da região, Manceron inclui uma criação original entre os pratos. Inicialmente apreciado pelos convidados, logo o quitute tem sua qualidade posta em xeque com a desaprovação de um membro da igreja, cuja postura à mesa e para com o cozinheiro pouco lembra o que se espera de alguém em sua posição.

Ao se recusar a pedir desculpas (mesmo porque não fez nada de errado), o protagonista é demitido e abandona o castelo com filho, Benjamin (Lorenzo Lefèbvre) – este com ideias revolucionárias para a época, provavelmente advindas de sua juventude e seu gosto pela leitura.

Junto ao veterano Jacob (Christian Bouillette), amigo de longa data da família, a dupla coloca em funcionamento uma antiga estalagem, onde começa a oferecer refeições simples a viajantes. Logo surge Louise (Isabelle Carré), jovem senhora que visa ser aprendiz de cozinheira – coisa impensada em tempo no qual, nas palavras do próprio Manceron, “cozinhar é uma coisa para homem”.

Nesse improvável cenário e com um quarteto que pouco tem em comum, inicia-se um processo de criação de algo inédito que, conforme ganha corpo, torna-se o que seria o primeiro restaurante com ares próximos ao que conhecemos hoje em dia.

Tal progresso é mostrado com detalhes, inclusive no que diz respeito à criação / execução de pratos – o que significa que entre belas iguarias, há algumas cenas incômodas envolvendo o manuseio de animais advindos de caça, que servem como base para itens do cardápio.

Nesse meio tempo, o desejo de Marceron retornar ao castelo (uma vez que ainda se sente preso ao fato de ter servido ao nobre por tantos anos) e o passado obscuro de Louise (que, uma vez trazido à luz, torna-se ponto importante da história) fazem com que as coisas não corram exatamente de maneira linear e ajudam a dar ritmo ao filme.

Em 112 minutos de duração, “Delicioso – Da Cozinha para o Mundo” faz jus ao nome e se mostra uma produção fácil de assistir e se envolver. Personagens carismáticos que conquistam a simpatia do público e um deleite visual para os que creem que uma boa refeição já começa a ser aproveitada através de um visual atraente são os melhores ingredientes para um resultado que vale a pena ser conferido em tela.

por Angela Debellis

*Título assistido através de streaming, a convite da PlayArte Pictures.

Filed in: Cinema

You might like:

Culturama lança “O Essencial do Zé Carioca: Celebrando os 80 Anos da sua Estreia” na Bienal Culturama lança “O Essencial do Zé Carioca: Celebrando os 80 Anos da sua Estreia” na Bienal
“Minions 2: A Origem de Gru” é a maior abertura de animação dos últimos dois anos “Minions 2: A Origem de Gru” é a maior abertura de animação dos últimos dois anos
“Origami”, livro de Maíra Carvalho, ganha sessão de autógrafos na Bienal do Livro “Origami”, livro de Maíra Carvalho, ganha sessão de autógrafos na Bienal do Livro
Grace Gianoukas comemora 40 anos de carreira com o Espetáculo “Grace Em Revista” Grace Gianoukas comemora 40 anos de carreira com o Espetáculo “Grace Em Revista”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.