Crítica: “Em Guerra”

Filme vibrante. Trata-se de uma nova obra da dupla francesa Stéphane Brizé (direção) – Vincent Lindon (atuação protagonista). E, na mesma linha do muito bom O Valor de um Homem (de 2015), o relato apresenta profundos dilemas ideológicos, éticos e até existenciais.

Uma empresa multinacional alemã decide fechar uma de suas fábricas automotivas na França. Esta decisão vai ocasionar a demissão de 1.100 trabalhadores. A resistência deles é o assunto central de “Em Guerra” (En Guerre).

O relato vai levar os espectadores para diversas etapas desta luta. Nas duas horas de duração a tensão, que nasce já desde o início, aumentará gradativamente. Não serão poupados detalhes de tal confronto. Sabendo-se que “quem luta pode perder, mas quem não luta já perdeu” – segundo afirma-se no próprio filme -, os personagens dos dois grupos em briga definirão seus papeis e diverso modo: mais esquemáticos e precisos os representantes da firma e mais existenciais, às vezes cambiantes e outras mais decididos, os trabalhadores.

O ponto de referência dos empregados que serão demitidos é uma promessa efetuada pelo diretor da fábrica que vai fechar: há dois anos ele os tinha convencido a redobrar seus esforços voluntária e gratuitamente para melhorar a situação da empresa nesse local e, em troca, ninguém seria demitido. Mais ainda: em um prazo de cinco anos a fábrica haveria de atingir um nível elevado de produção e benefícios.

Porém, no momento presente, embora esse sacrifício tenha sido realizado, a multinacional decide fechar essa fábrica.

Aos poucos vão ficando mais evidente que as ganâncias internacionais da empresa são enormes e que o salário do CEO alemão também é exorbitante, em contraste quase obsceno com os salários dos trabalhadores. As evasivas dos diversos níveis de direção e a repressão também se fazem presentes em forma crescente. E a decisão é que ou o diretor mantém aquela palavra de não demitir ninguém ou a paralisação continuará – o que, antes do fechamento definitivo, pode causar estragos na produção e no estoque. Isto último causará problemas imediatos à empresa que ainda deve fornecer material aos seus clientes.

Os governos local e nacional aparecem para tentar um acordo, bastante improvável entre as partes em conflito. Mas principalmente, para o governo não é bom que haja protestos porque isso vai afugentar os futuros investidores estrangeiros de ir para a França. A Justiça é convocada e sua sentença é: a Constituição francesa respeita as decisões privadas, por isso, a empresa pode abrir ou fechar estabelecimentos segundo seu próprio critério. Com isso, autoriza o fechamento.

A resposta dos grevistas é que o governo deu ajuda, com subsídios a essa fábrica para que continuasse a operar e agora este novo argumento governamental deveria tornar-se inválido.

Também não faltam as divergências internas no próprio grupo dos empregados: a empresa oferece um plano de demissão com uma recompensa econômica bastante tentadora. Uma parte deles pensa que é bom aceitar esse dinheiro e ter algo a não ter nada ao serem demitidos, e a outra parte estima que é uma traição à luta e que dessa maneira só vão recolher migalhas; que o que devem fazer é continuar até obter estabilidade laboral.

O protesto consegue adesões de outros setores e lugares do país e outra fábrica é ocupada pelos grevistas. Uma nova perspectiva aparece: que uma nova firma compre a anterior. Finalmente, após inúmeras tentativas, consegue-se obter que o CEO alemão tenha um encontro com os trabalhadores.

Esse é o ápice do filme, que porá à luz os argumentos das partes e os motivos de cada uma delas, fazendo que o espectador tome partido emocional e intelectual. Dará lugar a um final inesperado.

“Em Guerra” faz lembrar outros títulos de diretores rebeldes do cinema atual: Constantin Costa-Gavras e Ken Loach. Finalmente: será que pode ser entendido como um longa panfletário? Ou como um trabalho de legítima rebeldia e denúncia?

por Tomás Allen – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Livraria Martins Fontes promove lançamento do “Dicionário Monstruoso do Folclore Brasileiro” em SP Livraria Martins Fontes promove lançamento do “Dicionário Monstruoso do Folclore Brasileiro” em SP
Shopping Metrô Itaquera promove sessões de fotos com personagens de PJ Masks Shopping Metrô Itaquera promove sessões de fotos com personagens de PJ Masks
Habib’s comemora Dia das Crianças com promoção e brindes especiais Habib’s comemora Dia das Crianças com promoção e brindes especiais
Divulgados trailer legendado e pôster nacional do terror “Os Orfãos” Divulgados trailer legendado e pôster nacional do terror “Os Orfãos”
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.