Crítica: “Era uma vez um Deadpool”

Pode parecer tarefa complicada não associar a imagem de certo Mercenário Tagarela dos quadrinhos a palavrões ou cenas explícitas, mas acredite: isso não só é possível como o resultado chega aos cinemas com a estreia de “Era uma vez um Deadpool” (Once Upon a Deadpool).

O longa é uma improvável versão “permitida para menores” de “Deadpool 2”. A trama, apesar de continuar basicamente a mesma, agora não faz uso de nenhum recurso – gráfico ou textual – que possa limitar a faixa etária de seus espectadores. Tal processo pode incomodar alguns fãs mais radicais do personagem, mas acaba se mostrando muito válido e eficiente.

O grande trunfo do filme é apostar em seu carismático protagonista para fazer graça da inusitada situação. Em cenas concebidas especialmente para essa interpretação, Deadpool / Wade Wilson (Ryan Reynolds), como já visto no trailer e em vídeos promocionais divulgados previamente, aparece em um cenário que remete ao famoso título de 1988, “A Princesa Prometida”, no papel de contador de histórias.

O ouvinte dessa espécie de “Conto de Natal” é Fred Savage, cuja participação, apesar de forçada (obviamente mais uma boa tirada da produção), traz uma excelente química com o anti-herói. Isso os torna capazes de alcançar o status de uma das duplas mais divertidas dos últimos tempos nas telonas.

Entre ótimas piadas e uma edição sagaz, que mantém o filme como um bom título de ação, o destaque fica para a excelente opção em se alternar o que já foi apresentado antes a sequências inéditas e muito engraçadas com o inusitado dueto. A sensação é de que mais do que espectadores em uma sala de cinema, também nos tornamos atentos ouvintes da história contida na obra lida por Deadpool – que aliás, é composta de desenhos bem característicos e de design simples e infantil.

Eu realmente amei essa nova versão e acredito que ela vá funcionar tanto para quem viu o longa original, quanto para quem só agora tiver contato com a trama. Que Ryan Reynolds é o Deadpool definitivo, não é novidade, mas ficou mais visível o quanto ele se divertiu com as novas cenas, assim como o ator convidado, Fred Savage.

Para deixar tudo ainda melhor, em uma sempre bem-vinda ação solidária, a produtora Fox vai repassar parte da renda obtida com o filme à fundação Fudge Cancer. Seria ótimo se mais distribuidoras fizessem algo parecido com a bilheteria de algumas super- produções daqui pra frente.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

“The Lighthouse” é eleito pela crítica o melhor filme da Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes “The Lighthouse” é eleito pela crítica o melhor filme da Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes
Arno traz para sua mesa um delicioso Bolinho de Arroz Recheado de Muçarela Arno traz para sua mesa um delicioso Bolinho de Arroz Recheado de Muçarela
Dia do Orgulho Nerd ou Dia da Toalha? As duas coisas! O importante é comemorar Dia do Orgulho Nerd ou Dia da Toalha? As duas coisas! O importante é comemorar
Game inspirado em torneio mundial de Neymar Jr garante encontro com o craque Game inspirado em torneio mundial de Neymar Jr garante encontro com o craque
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.