Crítica: “Eu te amo, agora morra: O Caso de Michelle Carter”

Nesta terça-feira (03), às 22 horas, a HBO exibe o primeiro episódio de “Eu te amo, agora morra: O Caso de Michelle Carter” (I love you, now die: The Commonwealth Vs. Michelle Carter). A garota foi indiciada por incentivar o namorado Conrad Roy a cometer suicídio, nos EUA, em 2014, na época o garoto tinha 18 anos. O documentário será divido em duas partes, o segundo episódio vai ao ar na próxima terça-feira, 10 de setembro.

A cada momento doenças psicológicas vem ganhando visibilidade e espaço para discussões, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) a cada 40 segundos, alguém comete suicídio no mundo. Conrad foi mais um nessa estatística, mas para a família dele e para os advogados da acusação, o garoto ainda estaria vivo se não fosse pela insistência da namorada.

O documentário dirigido por Erin Lee Carr conta com uma série de depoimentos da família de Conrad, de autoridades policiais envolvidas, um jornalista que escreveu sobre o caso, advogados e um psiquiatra, o que nos possibilita observar diversas perspectivas sobre o ocorrido.

Em ordem cronológica são desenhados os momentos que antecedem a morte e tudo o que acontece posteriormente: o local do crime, cenas do julgamento, fotos do corpo. Contudo, o mais aterrorizante é a troca de mensagens entre o casal: é perceptível que Conrad tinha dúvidas sobre o suicídio, hesitava em deixar a família, enquanto a namorada sempre o encorajava e o apressava, ansiava por sua morte.

Também é traçado perfil de Michelle: Bonita, prestativa e estudiosa, sofria de transtornos alimentares e exigia atenção constante, a ponto de repelir os que estavam a sua volta. Com a morte do namorado a garota finalmente conseguiu a atenção que queria em sua cidadezinha.

“Será que ela planejou e incitou a morte de Conrad, para ganhar atenção?”. Tal questionamento foi feito milhares de vezes durante o julgamento, o caso ganhou notoriedade na mídia americana e internacional, também movimentou as redes sociais. Carter foi apelidada de “Viúva Negra” (aranha que após o acasalamento mata o parceiro) e nas cenas que envolvem seu julgamento é possível perceber a frieza que a envolve.

O caso já foi encerrado, Michelle (que agora tem 22 anos), já foi julgada pelo estado de Massachusetts e condenada a 15 meses de prisão. No entanto, “Eu te amo, agora morra: O Caso de Michelle Carter” é uma análise detalhada e chocante de um caso que chocou os EUA, e a partir de agora está disponível no HBO. Vale muito conferir.

IMPORTANTE: a produção pode gerar tensão, afinal é um caso de suicídio induzido, alguns detalhes expostos podem ser gatilhos para quem sofre com algum transtorno psicológico.

por Carla Mendes – especial para A Toupeira

Filed in: TV

You might like:

Studio Universal estreia novos filmes natalinos em dezembro Studio Universal estreia novos filmes natalinos em dezembro
Em dezembro, Looke irá adicionar mais de 30 filmes por semana Em dezembro, Looke irá adicionar mais de 30 filmes por semana
HBO Max anuncia ‘Onda Boa com Ivete’, série documental de Ivete Sangalo HBO Max anuncia ‘Onda Boa com Ivete’, série documental de Ivete Sangalo
Editora Serena lança “Vivendo como um guerreiro”, que conta a trajetória do humorista Whindersson Nunes Editora Serena lança “Vivendo como um guerreiro”, que conta a trajetória do humorista Whindersson Nunes
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.