Crítica: “Fantástica”

Bastante popular na China, os Bonnie Bears são protagonistas de uma série televisa que já conta com mais de 200 episódios. “Fantástica” (Boonie Bears: Entangled Worlds), cuja arrecadação mundial ultrapassa os U$S 70 milhões, é o quarto capítulo de uma bem-sucedida franquia cinematográfica e agora busca seu lugar ao sol em mercados ainda inéditos.

A animação que chega ao Brasil, com exibição exclusiva pela Rede Cinemark (em parceria com a distribuidora Lança Filmes), faz as vezes de apresentação dos personagens. Bramble e Biar são irmãos ursos que ainda filhotes foram resgatados pela tribo da terra mágica que dá nome à produção. Desde o início é fácil perceber que eles têm personalidades bem distintas – enquanto um carrega a inocência de uma criança, o outro se mostra mais sisudo e ciente de suas reponsabilidades para com o local que os acolheu.

A trama mostra o trabalho de dois arqueólogos na busca por Fantástica, a fim de comprovar se a “Lenda do Chifre Dourado” é mais do que uma história mítica. Junto a eles está a robozinho Coco, que será de fundamental importância para o desenvolvimento da narrativa, ao seguir jornada com os ursos, carregando importantes informações em sua memória.

Ao ostentar o título de “caçador”, Vick – recorrente em outros episódios anteriores – pode parecer o grande vilão do longa, mas é muito interessante como no decorrer da aventura, sua personalidade real vai sendo mostrada. Em se tratando de questão emocional, este me pareceu o personagem mais complexo.

A ação se torna mais interessante – visual e textualmente – quando Bramble, Biar, Vick e Coco adentram às terras mágicas e encontram a misteriosa Naya. A garota, cuja missão de vida é perpetuar o legado de sua família, é uma espécie de protetora do local e as sequências em que interage com os elementos à sua volta são encantadoras (preste atenção na singeleza e graça dos “gnomos cogumelos”).

A opção pelo uso de uma rápida cena em live-action, que parece deslocada em um primeiro momento, acaba sendo um recurso muito bem aproveitado quando as explicações surgem em tela. E os vilões podem não ser tão surpreendentes, mas dentro de certa (e triste) lógica, são os que fazem mais sentido sempre.

Com um trio – Huida Lin, Yonchang Lin e Leon Ding  – à frente da direção, “Fantástica” segue a cartilha e apresenta itens “básicos” em uma animação, inclusive números musicais com letras inspiradoras. Mas, embora possa soar como clichê, isso em nada desmerece a produção, afinal, se temas como o respeito à natureza e ao mundo em que vivemos e o valor de uma amizade sincera em nossa vida, lhe incomodam, talvez o verdadeiro problema não seja com o que lhe é apresentado.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Elenco de “Stranger Things” visita labirinto temático no “Halloween Horror Nights” Elenco de “Stranger Things” visita labirinto temático no “Halloween Horror Nights”
“Guardado em Silêncio” cumpre curta temporada em São Paulo “Guardado em Silêncio” cumpre curta temporada em São Paulo
“A Freira” se torna a maior bilheteria de terror da história no Brasil “A Freira” se torna a maior bilheteria de terror da história no Brasil
Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald ganha trailer final e novas artes de personagens Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald ganha trailer final e novas artes de personagens
© 2018 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.