Crítica: “Feito na América”

Há um velho e sábio ditado que prega que “Quem rouba um tostão, rouba um milhão”. No caso de Barry Seal, personagem interpretado por Tom Cruise em “Feito na América” (American Made), a comparação serve para mostrar sua evolução no mundo de atividades, digamos, nem sempre lícitas.

Barry é um piloto de aeronaves comerciais que encara sua rotina de trabalho como uma fonte segura de renda para ele e sua família, até que surge a chance de aumentar seus ganhos com o contrabando de charutos durante suas viagens. A partir daí, suas “habilidades” por trás dos bastidores serão descobertas pelos mais diversos interessados em seus serviços, o que fará com que sua tediosa tarefa diária torne-se, no mínimo, mais atrativa.

Contratado pela CIA para sobrevoar e fotografar locais em que guerrilheiros comunistas planejam suas ações, o protagonista pede demissão da TWA, empresa área em que trabalhava, para alçar voos maiores – literalmente. Mas, para que se contentar com isso, se é possível acrescentar vários zeros à soma de dinheiro que virá para suas mãos?

O responsável pela nova e tentadora proposta é o Cartel de Medellín, representado por nomes como Jorge Ochoa (Alejandro Edda) e, é claro, Pablo Escobar (Mauricio Mejía). Traficar drogas da América do Sul para o território americano mostra-se tão rentável, que faz com que o piloto comece a enfrentar um curioso problema: não dar conta da quantidade de notas que recebe. Como ele mesmo fala, o montante cresce exponencialmente, por mais que ele agora tenha uma incrível rede de estabelecimentos de fachada para lavagem de dinheiro.

É muito interessante ver como até algo ilegal demanda certa organização. Barry passa a ter funcionários, há uma agenda a ser seguida, com voos que devem seguir determinadas instruções para que todos os elos da corrente mantenham-se firmes até os resultados finais serem alcançados. E quando parecia já ter acontecido de tudo com uma só pessoa, uma nova oportunidade surge e coloca ainda mais pimenta na já bastante intrincada história.

O mais curioso de tudo, no longa baseado em fatos reais e dirigido por Doug Liman é que, apesar de nitidamente agir fora da lei, o personagem consegue ganhar a simpatia do público, seja através da gravação de vídeos nos quais ao falar com a câmera, parece repostar-se diretamente aos espectadores, ou pelo fato de manter o conforto e o relacionamento com a esposa Lucy (Sarah Wright) e os filhos como prioridade máxima.

Tom Cruise mostra, mais uma vez, porque mantém o status de ator polivalente há mais de três décadas. Aos 55 anos, ele apresenta uma vitalidade e por consequência, uma satisfação com o que faz, que merecem ser destacadas em sua longeva carreira.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Irmãos na Cozinha fazem sessão de autógrafos e lançam livro inédito de doces saudáveis Irmãos na Cozinha fazem sessão de autógrafos e lançam livro inédito de doces saudáveis
Black Friday do Escape 60 oferece desconto em todas as salas da casa de jogos de fuga Black Friday do Escape 60 oferece desconto em todas as salas da casa de jogos de fuga
Intrínseca lança “Royal City: Segredos em família”, de Jeff Lemire Intrínseca lança “Royal City: Segredos em família”, de Jeff Lemire
Amazon Prime Video anuncia painéis na CCXP Worlds Amazon Prime Video anuncia painéis na CCXP Worlds
© 9936 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.