Crítica: “Johnny English 3.0”

Além de equipamentos inusitados e uma boa dose de charme, um espião que se preza também precisa contar com um fator importante (embora nem sempre colocado em voga): uma boa dose de sorte. E isso, certo agente inglês que chega aos cinemas tem de sobra.

Dirigido por David Kerr, “Johnny English 3.0” (Johnny English Strikes Again) é a terceira empreitada de Rowan Atkinson – as outras aconteceram em 2003 e 2011- como o divertido personagem que consegue a façanha de aliar ideias de eficiência questionável a resultados que somente grandes profissionais atingiriam.

A capital da Inglaterra está em risco, assim como o trabalho do serviço secreto britânico. Um habilidoso hacker invade diversos sistemas de segurança e privacidade e planta o caos em Londres, com direito a graves problemas no trânsito, acidentes em pontos turísticos e vazamento de identidades de agentes de campo disfarçados.

Cabe à primeira ministra interpretada por Emma Thompson encontrar uma solução imediata (antes de um importante encontro com líderes mundiais membros do G12), o que converge para o recrutamento de espiões que não fazem mais parte das listas do MI7 divulgadas pelo criminoso, entre os quais está Johnny English – que graças a um fato tão inesperado quanto divertido acaba sendo a única opção válida para resolver a questão.

Uma vez que sua missão começa, acontece de tudo, literalmente, inclusive cruzar o caminho da agente russa Ophelia Bulletova (Olga Kurylenko, que já foi uma das bongirls da franquia de outro famoso espião britânico, James Bond), com quem terá cenas muito divertidas – como a que envolve uma pílula tomada em momento errado e uma pista de dança.

E o mais engraçado é que, mesmo quando as coisas saem totalmente do controle, ele continua agindo de maneira tranquila, como se não tivesse percebido a confusão que o cerca. Acredite: não só parece, ele de fato não notou. Para auxiliá-lo a sair das enrascadas, há o retorno de seu assistente Angus Bough (Bem Miller), que mesmo ciente da ‘curiosa’ competência de English, o considera uma figura respeitável e com quem se orgulha de trabalhar.

Com um roteiro bastante previsível – o que não chega a ser um problema em produções do tipo – o grande destaque fica para Rowan Atkinson, que mesmo após anos atuando no ramo da comédia mostra não ter perdido o jeito de fazer rir sem precisar apelar para recursos que fujam do humor simples e até mesmo inocente. A cena em que o personagem faz uso de óculos específicos para realidade aumentada e todas as consequências é uma das mais engraçadas do longa.

Vale conferir!

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Assista à versão dublada do trailer final de “Toy Story 4” Assista à versão dublada do trailer final de “Toy Story 4”
HBO divulga teaser e imagens da nova série ‘His Dark Materials’ HBO divulga teaser e imagens da nova série ‘His Dark Materials’
Trilha sonora de “Aladdin” conta com versão da Banda Melim para “Um Mundo Ideal” Trilha sonora de “Aladdin” conta com versão da Banda Melim para “Um Mundo Ideal”
“Aladdin”: Saiba mais sobre a Princesa Jasmine e confira produtos temáticos “Aladdin”: Saiba mais sobre a Princesa Jasmine e confira produtos temáticos
© 3788 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.