Crítica: “Kubo e as Cordas Mágicas”

kubo-e-as-cordas-magicas-poster-criticaPare e pense por um instante. Não é difícil perceber que as jornadas dos heróis populares (das mitologias mais antigas às criações icônicas de histórias em quadrinhos) incluem sempre uma parcela – muitas vezes bastante generosa – de sacrifício. Grandes decisões que podem mudar radicalmente o rumo de quem as toma são o mote principal dos que desejam ser donos de sua própria história.

Assim é também a trama de “Kubo e as Cordas Mágicas” (Kubo and the Two Strings), belíssima animação em stop-motion, dirigida por Travis Knight, que tem na figura dos grandes samurais japoneses toda a simbologia de honra e luta que são fundamentais na busca por um destino promissor.

O início da produção mostra o pequeno protagonista – que ainda bebê tem um de seus olhos arrancados – tendo que fugir com sua mãe, de todos os perigos que outros membros de sua família representam: Rei Lua (voz de Ralph Fiennes) – seu avô, e suas tias maternas (Rooney Mara) – figuras cuja assustadora presença é marcada por máscaras sem expressão do Teatro Nô, um antigo gênero teatral japonês.

Com a responsabilidade de cuidar da mãe, que apresenta uma saúde bastante frágil, Kubo (Art Parkinson) vê em sua habilidade de criar histórias (e contá-las em pleno mercado do vilarejo em que vive) a oportunidade de conseguir manter a ambos. Os contos – que nunca têm um final – são complementados por melodias tiradas de seu shamishen, um instrumento musical de cordas carregado de magia, cujas notas musicais tornam-se formas animadas de origami – arte de dobradura que por si só já é encantadora.

Para manter-se em segurança, após a quebra de sua rotina, que incluía não ficar exposto ao mundo exterior após o pôr do sol, o garoto se vê obrigado a iniciar uma inesperada trajetória em busca de artefatos que pertenciam a seu falecido pai, e que juntos poderão lhe trazer benefícios.

Durante o percurso, ele não está sozinho. Uma sábia macaca falante (Charlize Theron) e um inusitado homem sem memória, cujo corpo e movimentos lembram os de um besouro (Matthew McConaughey), lhe farão companhia e serão os alicerces perfeitos para mantê-lo são e confiante. A aproximação de três personagens tão distintos e a explicação para tal cumplicidade devem comover os mais sensíveis (que até esse ponto, provavelmente já derramaram algumas lágrimas).

Na contramão de produções com ritmo e trilhas sonoras aceleradas, a animação do Estúdio Laika conquista pela simplicidade. Por trás da complexidade da técnica de stop motion (mostrada em uma cena durante os créditos), há uma mensagem sutil e delicada, quando até mesmo uma singela lanterna de papel ganha um significado imenso e cheio de sensibilidade.

Imperdível.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Atendendo aos pedidos de fãs, canal Viva estreia ‘Malhação 1996’ e ‘Malhação 2009’ Atendendo aos pedidos de fãs, canal Viva estreia ‘Malhação 1996’ e ‘Malhação 2009’
Confira lista com cinco momentos do final da 1ª temporada de “9-1-1 Lone Star” Confira lista com cinco momentos do final da 1ª temporada de “9-1-1 Lone Star”
Os bastidores da Revolução Cubana chegam ao streaming, em documentário inédito Os bastidores da Revolução Cubana chegam ao streaming, em documentário inédito
Pluto TV exibe especial Oscar com filmes inéditos na plataforma Pluto TV exibe especial Oscar com filmes inéditos na plataforma
© 7131 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.