Crítica: “Kursk – A Última Missão”

A dramatização do trágico incidente envolvendo o submarino russo K-141 Kursk que afundou no Mar de Barents no ano 2000 ficou sob a direção de Thomas Vinterberg e o roteiro de Robert Rodat.

“Kursk – A Última Missão” (Kursk) é um drama de encher os olhos. Ainda que repleto dos clichês do gênero, possui fotografia e efeitos especiais excelentes e consegue prender atenção, fazendo os espectadores (principalmente os que desconhecem a história real) torcerem até o fim pelo resgate dos marinheiros.

O longa tem uma breve introdução que retrata as dificuldades dos marinheiros que serviam naquela região e do elo de amizade existente entre a equipe. Também introduz o líder:  Mikhail Kalevok (Matthias Schoenaerts), bom pai, marido e amigo generoso, tudo para garantir a empatia entre o herói e o espectador.

Os desdobramentos são rápidos e logo acontece a catástrofe sob a forma de explosões. Logicamente, há a exposição do desconforto em relação ao míssil que originou o problema, o pressentimento de que algo está errado e que o desastre poderia ter sido evitado, mas não foi.

O filme também aponta a forma com que a Marinha Russa conduziu o resgate dos marinheiros que ainda estariam vivos, nos dois primeiros dias após a explosão. Foi dado ênfase no sucateamento dos equipamentos e na recusa da ajuda oferecida por outras nações, pois o submarino supostamente continha segredos militares.

É dado foco ao drama familiar, e às lutas das mulheres e demais familiares dos tripulantes do Kursk por informações precisas sobre as condições das buscas por sobreviventes. A esposa do Comandante Mikhail, Tanya Averina (Léa Seydoux), é a mais obstinada das mulheres retratadas no longa.

A produção consegue ser coerente mesmo ao abordar questões políticas, mostrar a dor das famílias e a luta pela sobrevivência dos marinheiros. E como bônus temos a firmeza da atuação de Max Von Sydow, que interpreta o irredutível Vladimir Petrenko.

“Kursk – A Última Missão” é mais uma superprodução que acerta em cheio o público, sejam os fãs do gênero ou aqueles que caíram de paraquedas nesta narrativa.

por Carla Mendes – especial para A Toupeira

*Filme assistido durante Cabine de Imprensa promovida pela Paris Filmes.

Filed in: Cinema

You might like:

Confira o novo vídeo de bastidores de “007 – Sem Tempo Para Morrer” Confira o novo vídeo de bastidores de “007 – Sem Tempo Para Morrer”
Em novo vídeo, Cillian Murphy revela ter ficado impressionado com ‘Um Lugar Silencioso’ Em novo vídeo, Cillian Murphy revela ter ficado impressionado com ‘Um Lugar Silencioso’
NOW dá dicas para curtir o Carnaval NOW dá dicas para curtir o Carnaval
Crítica: “Dolittle” Crítica: “Dolittle”
© 2020 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.