Crítica: “Lar Doce Lar… Ou Não”

Subgênero amplamente consagrado, a comédia romântica, na grande maioria dos casos, não é conhecida por fazer muito esforço para entregar roteiros mirabolantes: basta contar com personagens que sejam, de algum modo relevantes, e fazer uso de vários clichês – sem que isso pareça apenas falta de criatividade.

De qualquer maneira, é positivo quando, além dos ingredientes básicos, há a inserção de algum outro elemento que pode contribuir para uma incrementar o resultado. No caso de “Lar Doce Lar… Ou Não” (Home Sweet Home), esse item a mais chega sob a forma de um drama leve, com foco no público cristão jovem, e funciona muito bem.

A trama gira em torno de Victória Tremont (Natasha Bure), a típica garota fútil que se preocupa apenas com sua aparência externa, deixando de lado – para não dizer esquecendo completamente – de cuidar também de seu interior.

Acostumada com a facilidade com que consegue encontros e relacionamentos fugazes, a jovem vai descobrir que nem todos se rendem aos seus encantos com a chegada de Jason Holman (Ben Elliott), responsável pela administração do Ministério Base Doméstica, que tem como principal atividade a construção de casas para famílias carentes.

A fim de conquistar a atenção de Jason, Victória aceita tornar-se voluntária do projeto, não se furtando de fazer uma extensa pesquisa sobre como deveria se portar para fingir com extrema competência, ter algum interesse na doutrina cristã – o que acaba abrindo inesperadas portas e provocando situações inusitadas em sua vida.

O roteiro de Lesley Ann McDaniel, embora previsível, consegue atingir o objetivo de ganhar a simpatia do espectador, ao apostar também em subtramas que ajudam a entender as motivações dos personagens. E acerta com a proposta de mostrar que, mais do que mudanças radicais, o que importa é descobrir nossa própria verdade (e não a que muitas vezes queremos que os outros enxerguem em nós).

A narrativa do longa dirigido por Juan Mas (e que segue disponível nas plataformas digitais NOW, Looke, Microsoft, Vivo Play, Google Play e Apple TV), é bastante simples e delicada. E a inserção de passagens bíblicas e citações cristãs em momentos diversos, faz com que ganhe um ar respeitoso, mas sem deixar de ser interessante.

por Angela Debellis

*Título assistido via streaming, a convite da A2 Filmes.

Filed in: BD, DVD, Digital

You might like:

Adaptações de sucesso: Filmes baseados em grandes livros têm desconto no TVOD Adaptações de sucesso: Filmes baseados em grandes livros têm desconto no TVOD
“Mulher Maravilha 1984” antecipa estreia no streaming e chega em janeiro no NOW “Mulher Maravilha 1984” antecipa estreia no streaming e chega em janeiro no NOW
American Film Institute divulga sua lista de melhores filmes e séries de 2020 American Film Institute divulga sua lista de melhores filmes e séries de 2020
Ursos Teddy invadem pontos turísticos de São Paulo em comemoração aos 467 anos da capital Ursos Teddy invadem pontos turísticos de São Paulo em comemoração aos 467 anos da capital
© 2021 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.