Crítica: “Maria do Caritó”

“Maria do Caritó”, dirigido por João Paulo Jabur, é baseado em uma peça teatral de mesmo nome, que esteve em cartaz durante o ano de 2010. O longa conta a história de Maria (Lilia Cabral), cujo maior sonho é encontrar um amor; porém, ela foi prometida a um Santo chamado São Djalminha logo depois de seu nascimento, devido a complicações no parto. Após inúmeras simpatias e uma conversa com uma cartomante, um circo chega à cidade e Caritó acredita não só ter encontrado seu futuro noivo, como uma nova vocação para sua vida.

O filme está impecável. A riqueza de detalhes e os assuntos abordados foram muito bem pontuados no decorrer da história. Existem dois pontos cruciais que dominaram o enredo: o primeiro trata sobre o descobrimento da mulher sobre ela mesma; o segundo destaca o quão importante e significativo é ser artista, aquele que acima de tudo é apaixonado pelo que faz.

Na história, Maria é cultuada como santa pelos moradores da cidade, já que devido à promessa feita por seu pai, ela se manteve virgem por todos esses anos. Apesar de ter sido criada com um certo rigor, a personagem possui a clareza de que aquilo não é correto, e desde o início do filme, expressa uma frustação até mesmo de forma implícita, de nunca ter vivido nada diferente em sua vida.

De uma forma bem delicada, a produção conseguiu perfeitamente acrescentar detalhes que agregassem de uma maneira muita ampla uma série de eventos. Quando o circo chega ao pequeno vilarejo, é como se ele trouxesse um novo mundo, com diversas possibilidades e com a intenção de mostrar às pessoas que elas podem ser o que quiser.

A princípio, Maria procurou o circo com a intenção de buscar um compromisso sério com um dos artistas. Depois, ao fazer um teste para se tornar uma das palhaças do espetáculo, percebeu que ali era o seu lugar e que não tinha nada mais bonito do que descobrir quem de fato ela era.

O ponto alto do longa é a mensagem transmitida nas cenas finais, é o momento em que a ingenuidade da personagem se transforma em coragem, e principalmente, em amor próprio. Durante todo o filme, Maria do Caritó buscou sua liberdade de formas diferentes e demorou anos até que ela entendesse o que isso significava. Quando passou por algumas desilusões, ela se reergueu e percebeu que tudo o que sempre buscou estava dentro de si mesma.

por Victória Profirio – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Editora Luz da Serra lança “Minuto da Gratidão” Editora Luz da Serra lança “Minuto da Gratidão”
Estrelada por Renée Zellweger, cinebiografia de Judy Garland ganha primeiro trailer Estrelada por Renée Zellweger, cinebiografia de Judy Garland ganha primeiro trailer
Crítica: “A Grande Mentira” Crítica: “A Grande Mentira”
Crítica: “O Reino Gelado: A Terra dos Espelhos” Crítica: “O Reino Gelado: A Terra dos Espelhos”
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.