Crítica: “Medo Profundo – O Segundo Ataque”

Certos temores permanecem no imaginário popular, não importa o tempo que passe. E, desde o estrondoso êxito alcançado por “Tubarão” em 1975, filmes com temáticas semelhantes surgem nos cinemas e na televisão esporadicamente. O problema é que muitos não apresentam uma qualidade sequer aceitável e se tornam apenas “mais um” entre tantos produzidos.

“Medo Profundo: O Segundo Ataque” (47 Meters Down: Uncaged) é feito de momentos. Em alguns, ele até parece atender o mínimo que se espera de um título do gênero; em outros, são visíveis os deslizes não só de roteiro, mas do conjunto todo.

Johannes Roberts volta à direção (assim como mais uma vez assina o roteiro ao lado de Ernest Riera), nesta que, apesar do nome, não pode ser considerada uma sequência direta de “Medo Profundo”.

O longa demora para ganhar fôlego, a introdução parece extensa demais, deixando a sensação de que estamos assistindo a um filme genérico sobre adolescentes que resolvem ir contra orientações de seus pais e acabam se dando mal. Ainda assim, quando finalmente a ação começa, há pontos a serem destacados.

A história se passa no México e gira em torno de quatro estudantes do ensino médio: a novata que sofre bullying, Mia (Sophie Nélisse); a filha de sua madrasta, Sasha (Corinne Foxx); a que convence a dupla a desistir de um passeio turístico em um barco, para aventurar-se em um local desconhecido, Nicole (Sistine Rose Stallone); e a que tem a péssima ideia de entrar em túneis que levam à cidade subterrânea de Xibalba, Alexa (Brianne Tju).

Com a intenção de ver de perto as catacumbas recém-descobertas por Grant (John Corbett) – pai de Mia e exímio explorador -, as jovens se veem diante de grandes problemas após um desmoronamento que as impossibilita de voltar à tona e as coloca de frente com enormes tubarões-brancos – que embora cegos, ainda permanecem letais.

Aí surge uma das maiores falhas da trama: com o óbvio desespero instaurado, o oxigênio dos tanques seria consumido mais rapidamente e ao chegar a determinada porcentagem, causaria uma espécie de “pane” no cérebro e as faria alucinar (como visto em “Medo Profundo”), o que não acontece em nenhum momento – as más decisões são tomadas de maneira lúcida mesmo, nem dá para culpar a falta de oxigenação cerebral.

Outro revés se dá graças à sequência passada nos minutos finais, quando o absurdo ultrapassa qualquer limite – não que antes houvesse algum considerável – e transforma a história em algo mais risível do que temerário. Acredito que se tivesse rumado para outro lado – o do suspense / terror, propriamente dito – o encerramento poderia ser menos vexatório.

O fato de boa parte das cenas se passar debaixo d’água, com direito a vários momentos de escuridão e/ou visão embaçada pelo lodo que sobe quando o quarteto precisa nadar mais rápido, aliado à opção de colocar as personagens “presas” no mesmo ambiente claustrofóbico – formado por túneis estreitos -, pode fazer com que a produção não seja indicada a quem se sente desconfortável com tais elementos.

Pelo lado positivo, vale dizer que, embora bastante óbvios, alguns jumps scares ainda funcionam bem e surpreendem na medida certa. Também fica o destaque para algumas inesperadas reviravoltas envolvendo o destino de certas personagens que, embora caiam no exagero em dado momento, têm potencial para manter a atenção do público.

Lembrando que, para de alguma maneira se aproveitar a experiência de se assistir a esse tipo de filme, é necessário abrir mão de várias lógicas e comprar ideias que não só parecem, mas são de fato, absurdas.

por Angela Debellis

 

Filed in: Cinema

You might like:

“Convenção das Bruxas” chega às plataformas digitais “Convenção das Bruxas” chega às plataformas digitais
Confira os novos pôsteres de “Zack Snyder’s Justice League” Confira os novos pôsteres de “Zack Snyder’s Justice League”
Pato B.Duck invade o PUBG Mobile em nova parceria Pato B.Duck invade o PUBG Mobile em nova parceria
Discovery Kids estreia um filme por semana em março Discovery Kids estreia um filme por semana em março
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.