Crítica: “Meu Amigo Vampiro”

Amizades entre humanos mortais e criaturas fantásticas e /ou imortais costuma render histórias, no mínimo interessantes. Dessa vez, os protagonistas desse inusitado tipo de encontro são dois garotos: Tony e Rudolph, que chegam aos cinemas na animação “Meu Amigo Vampiro” (My Little Vampire).

A produção dirigida por Richard Claus e Karsten Kiilerich é baseada no best-seller homônimo da alemã Angela Sommer Bodenburg, publicado em 1979. Quase três décadas após o lançamento, e depois de já ter sido tema de um filme com atores reais em 2001, a história dos amigos é apresentada através de uma simpática animação, que de maneira inocente, consegue tratar sobre um tema ainda muito atual: a capacidade de conviver com o que nos parece diferente.

Tony é um garoto comum de San Diego, fã ardoroso de obras que tratam de assuntos sobrenaturais (entenda-se quadrinhos sobre vampiros) que, graças a um problema com o carro durante uma viagem, vai parar com os pais em uma espécie de pensão com ares de castelo. É lá que vai conhecer, de maneira inesperada, Rudolph, alvo de cobiça de um inescrupuloso caçador, que pretende exterminar com a família do “jovem” vampiro de 13 anos (comemorados há 300 anos).

A decisão de ajudar o novo amigo fará com que Tony viva grandes aventuras a seu lado, quando precisarão reencontrar os pais e a irmã de Rudolph, além de buscar soluções para o resgate do restante dos familiares, presos em uma cripta, pelo caçador e seu comparsa – responsável pela criação de todas as engenhocas usadas para a captura das criaturas da noite.

A animação é bastante simples, tanto na parte visual, quanto na narrativa em si, o que não é nenhum demérito. Através dessa singeleza, ela se torna direta e eficiente, tendo a mensagem central compreendida até mesmo pelas crianças menores – que devem compor a maior parte do público a se interessar pela ida ao cinema.

E é sempre fascinante perceber como certos discursos mantêm sua importância, mesmo com o passar de tantos anos. A necessidade de se entender, respeitar e atuar ao lado daqueles que não nos parecem tão semelhantes e próximos, parece ser algo que nunca saíra da pauta. Que esse mote continue ativo e cada vez mais abraçado pelos que querem viver de maneira justa em sociedade.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Jogue 5 Eras da história humana no Closed Beta de Humankind Jogue 5 Eras da história humana no Closed Beta de Humankind
Ubisoft anuncia Avatar: Frontiers of Pandora com primeiro trailer Ubisoft anuncia Avatar: Frontiers of Pandora com primeiro trailer
Mario + Rabbids Sparks of Hope apresenta uma aventura em escala cósmica Mario + Rabbids Sparks of Hope apresenta uma aventura em escala cósmica
Tom Clancy’s Rainbow Six Extraction ganha anúncio de lançamento para setembro Tom Clancy’s Rainbow Six Extraction ganha anúncio de lançamento para setembro
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.