Crítica: “Minions 2: A Origem de Gru”

Imagine uma animação cuja trama se passa durante os coloridos anos de 1970 – mais precisamente, no início de 1976, durante as celebrações do Ano Novo Chinês. Acrescente a isso uma trilha sonora repleta de versões inéditas de canções icônicas (que até hoje nos fazem conduzem no ritmo de suas batidas). Completando a receita, dê o protagonismo às criaturinhas amarelas mais queridas das telonas.

Pronto. Isso é o que vemos em “Minions 2: A Origem de Gru” (Minions 2 – The Rise of Gru), nova aposta da Ilumination – dirigida por Kyle Balda – que chega aos cinemas após dois anos de adiamento, devido à pandemia de Covid-19. E, embora a ansiedade pelo reencontro com essa turminha tenha sido imensa, a boa notícia é que toda espera valeu muito a pena.

Como o próprio título indica, o roteiro de Brian Lynch e Matthew Fogel tem como mote os primórdios de maldade de Gru (voz de Steve Carell no original e Leandro Hassum, na versão brasileira), aqui representado como um garoto de “11 anos e ¾”, que almeja não só conhecer, mas se tornar membro do mais temido grupo de vilões da época, o Sexteto Sinistro (sim, essa tradução para o nome original “Vicious 6” é só uma das inúmeras tiradas excelentes da produção).

Liderado por Willy Cobra (vozes de Alan Arkin / Gesteira), o grupo de criminosos conta com figuras, no mínimo, excêntricas, que vão de Donna Disco (Taraji P. Henson / Sarito Rodrigues) – uma estilosa vilã com ares de estrela da música, a Irmã Chaco (Lucy Lawless / Telma da Costa) uma freira que tem como acessório letal um crucifixo que se transforma em uma arma ninja. Completam o sexteto, Jean Garra (Jean-Claude Van Damme / Bruno Rocha), Svengança (Dolph Lundgren/Garcia Jr.) e Punhos de Aço (Danny Trejo / Marco Dondi).

Quando ocorre uma grave desavença entre os antagonistas, após o roubo da chamada “Pedra do Zodíaco” – uma espécie de medalhão místico que daria poderes ilimitados a quem a possuísse -, é a vez de Gru correr atrás de seu sonho. Para isso, terá que provar seu valor como pretenso infrator da lei, tentando a todo custo desvencilhar-se do estigma de ser “apenas um garotinho”. Mas, quando as coisas não saem como o esperado, é que ele vai perceber o que de fato importa.

E se a origem é de Gru, esta só é possível como sabemos, graças à infinita disposição de seus ajudantes (todos dublados por Pierre Coffin), que mostram ter por ele uma irretocável devoção desde que se conheceram, justamente nesse período. Ou seja, a parceria entre eles já dura décadas e é maravilhoso perceber o quanto seguem evoluindo juntos (coisa que não costuma acontecer com frequência em amizades na vida real).

Há muito a se destacar durante os 87 minutos de duração de “Minions 2: A Origem de Gru”, mas o que mais me conquistou foi a clara preocupação com detalhes significativos de todas as animações anteriores (não só do antecessor “Minions”, mas de toda a trilogia de “Meu Malvado Favorito”), seja com a aparição de personagens em suas versões jovens, ou na forma de easter eggs para os fãs mais atentos.

Ainda no quadro de figuras inéditas, temos a incrível Mestra Chow (Michelle Yeoh – que parece dominar mesmo todos os multiversos do cinema e da TV / Marcia Coutinho), cujos ensinamentos – tão básicos quanto expressos – de Kunf Fu, ao trio formado por Bob, Kevin e Stuart serão fundamentais para que eles (junto ao novo amigo amarelinho Otto) possam resgatar seu amado “mini-chefe” Gru.

Eu não sei falar bananês (o que não significa que esse não seja um dos tópicos da minha lista de desejos), então, a dica será em português mesmo (mas com gírias setentistas!): Não fique grilado e aproveite o reencontro com essa patota que é o maior barato!

por Angela Debellis

*Título assistido em Cabine de Imprensa promovida pela Universal Pictures.

Filed in: Cinema

You might like:

Cultura Inglesa prorroga escape room de Sherlock Holmes com entrada gratuita em São Paulo Cultura Inglesa prorroga escape room de Sherlock Holmes com entrada gratuita em São Paulo
“LEGO Star Wars: Férias de Verão” estreia no Disney+ “LEGO Star Wars: Férias de Verão” estreia no Disney+
Direto da Toca: Assistimos à Comédia Musical “Bom Dia Sem Companhia” Direto da Toca: Assistimos à Comédia Musical “Bom Dia Sem Companhia”
Crítica: “O Palestrante” Crítica: “O Palestrante”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.