Crítica: “Natureza Selvagem”

São inúmeros eventos trágicos que a humanidade atravessou no decorrer de sua história, porém entre tantos horrores, o Holocausto parece atrair com mais frequência discussões de obras áudio visuais.

É provável que isso aconteça por ser um evento mais recente, com menos de cem anos e porque infelizmente ainda convivemos com muitos dos problemas sociais relacionados aos preconceitos, os quais acabaram provocando uma catástrofe da magnitude, que foi a perseguição contra os judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

Entre tantas obras que utilizam o Holocausto como cenário de suas tramas, é difícil encontrar uma que realmente inove nessa temática. No caso do suspense dramático polonês “Natureza Selvagem” (Wilkolak / Werewolf / Survivors), a história esboça a abordagem de uma temática pouco explorada, focando-se em jovens sobreviventes de um campo de concentração lidando com alguns de seus traumas adquiridos durante essa experiência.

Porém, em pouco tempo essa interessante perspectiva é abandonada para dar lugar a um suspense mais corriqueiro, que lembra muito os filmes protagonizados por crianças da década de 1980.

Na trama dirigida e escrita por Adrian Panek, acompanhamos um grupo de oito jovens libertados pelo exército soviético de um campo de concentração, que, por não possuírem mais familiares vivos, são encaminhados a um lar comunitário.

Mas a tutora do local acaba sendo morta por algum animal, e agora as crianças além de lidar com a fome e o frio que o rigoroso inverno do leste europeu traz consigo, ainda precisam enfrentar a ameaça iminente de um grupo de animais raivosos que os espreita do lado de fora de seu abrigo.

A atuação das crianças é convincente, conseguindo intensificar o suspense criado pela situação inusitada em que os personagens se encontram e a fotografia também se mostra bem competente para os cenários simples em que a história é ambientada.

O único problema que realmente incomoda em meio à narrativa é a decisão da direção de abrir mão de explorar com mais profundidade as questões psicológicas dos jovens protagonistas, para dar espaço à atmosfera soturna, que flerta com um clima de terror, porém não entrega uma ameaça satisfatória.

Em uma análise geral, talvez se “Natureza Selvagem” tivesse se focado em de fato explorar o psicológico dos jovens sobreviventes dos campos de concentração, sua construção se mostrasse mais interessante e profunda. Porém, quem gosta de assuntos relacionados à Segunda Guerra Mundial, ainda pode desfrutar de um ponto de vista diferente desse momento tão triste que a humanidade já presenciou.

A produção está disponível no NOW, Looke, Vivo Play, Google Play, Microsoft e Apple TV.

por Marcel Melinski – especial para A Toupeira

*Título assistido via streaming, a convite da A2 Filmes.

Filed in: BD, DVD, Digital

You might like:

Prime Video lança trailer oficial e data de lançamento da segunda temporada de “Star Trek: Picard” Prime Video lança trailer oficial e data de lançamento da segunda temporada de “Star Trek: Picard”
Disney cria Exposição Imersiva do filme “O Beco do Pesadelo” no Shopping Frei Caneca Disney cria Exposição Imersiva do filme “O Beco do Pesadelo” no Shopping Frei Caneca
Paris Filmes divulga novo pôster nacional do anime “Belle” Paris Filmes divulga novo pôster nacional do anime “Belle”
Bolo Sonho de Limão é a dica da Castelo Alimentos Bolo Sonho de Limão é a dica da Castelo Alimentos
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.