Crítica: “No Ritmo da Vida”

Não importa quantos filmes sejam feitos, livros escritos, histórias fictícias concebidas pelas estradas da imaginação. Relações humanas sempre serão um assunto complexo, necessário e válido de se abordar. E isso, “No Ritmo da Vida” (Jump, Darling) faz com sutileza e precisão.

Na trama, conhecemos o jovem Russell Hill (Thomas Duplessie) que vê um relacionamento aparentemente estável ruir, após a tentativa de seu companheiro Justin (Andrew Bushell) de colocar limites a seus sonhos profissionais de trabalhar como Drag Queen.

Ao deixar o lar e a vida que construíram juntos em Toronto, para retornar a seu local de nascimento – o Condado de Prince Edward – Russell não sabe ao certo o que lhe espera, mas sabe pelo que tem vontade de lutar e isso já é um importante passo (mesmo que às vezes pequenas vitórias pareçam irrisórias demais para serem celebradas).

Na pequena cidade canadense, o protagonista se hospeda na residência de Margaret (Cloris Leachman), sua avó materna que, embora padeça dos sintomas iniciais de demência – que, inclusive, podem colocar sua vida em risco, como visto logo no início da produção -, reluta em aceitar a proposta para tornar-se residente em uma casa de repouso.

Sem um caminho definido, Russell acaba descobrindo o Casebre da Hannah, bar onde se oferece para trabalhar como DJ, além de realizar performances como a Drag Queen Fishy Falters. No local, conhece Zachary (Kwaku Adu-Poku), mas o encantamento inicial talvez não seja suficiente para impedir uma nova decepção.

Dirigido e roteirizado por Phil Connell, o drama tem como grande trunfo a boa relação familiar de Russell. Durante seus lampejos de lucidez, Margaret lida com naturalidade com o jeito de ser do neto e tudo que diz respeito não só à sua orientação sexual, mas às ambições em geral. Assim como sua mãe Ene (Linda Kash) que o apoia, mesmo quando não compreende certas decisões tomadas por ele.

E isso, sob qualquer aspecto, é cada vez mais raro hoje em dia, já que vivemos em tempos que pregam a praticidade de relacionamentos rasos e sem quase nenhum impacto afetivo. O que faz com que nos apeguemos aos personagens com facilidade, torcendo para que a conclusão de suas trajetórias seja o mais favorável possível.

Também cabe destacar a importância de mostrar Russell se montando como Drag Queen. Há uma transformação – não apenas física, mas emocional – que acontece a cada apresentação e faz de Fishy Falters seu porto seguro e a porta através da qual consegue libertar seu verdadeiro eu.

“Vá se ferrar. Mandar os padrões se ferrarem. Mandar e vergonha se ferrar. E jamais se culpar pelos erros dos outros”. Nas palavras do protagonista, isso é que representa verdadeiramente ser Drag Queen. Mas, no final, são reflexões que podemos (e, de fato, deveríamos) levar para qualquer vertente de nossas vidas.

por Angela Debellis

*Título assistido em Cabine de Imprensa Digital promovida pela A2 Filmes.

 

Filed in: Cinema

You might like:

Culturama lança “O Essencial do Zé Carioca: Celebrando os 80 Anos da sua Estreia” na Bienal Culturama lança “O Essencial do Zé Carioca: Celebrando os 80 Anos da sua Estreia” na Bienal
“Minions 2: A Origem de Gru” é a maior abertura de animação dos últimos dois anos “Minions 2: A Origem de Gru” é a maior abertura de animação dos últimos dois anos
“Origami”, livro de Maíra Carvalho, ganha sessão de autógrafos na Bienal do Livro “Origami”, livro de Maíra Carvalho, ganha sessão de autógrafos na Bienal do Livro
Grace Gianoukas comemora 40 anos de carreira com o Espetáculo “Grace Em Revista” Grace Gianoukas comemora 40 anos de carreira com o Espetáculo “Grace Em Revista”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.