Crítica: “O Farol”

Um suspense em preto e branco, com basicamente dois atores, um farol no meio do nada, em uma época que não é a nossa, elementos místicos e devaneios, muito devaneios (ou não?). Essas são as premissas de “O Farol” (The Lighthouse), filme dirigido por Robert Eggers e estrelado pelo aclamado Willem Dafoe e pelo próximo Batman, Robert Pattinson.

Com quase duas horas de duração, o longa traz uma sensação de que estamos parados no tempo, submersos naquela atmosfera por vezes fatigante. Já nas primeiras cenas vemos os personagens de Dafoe e de Pattinson caminhando com dificuldade em meio a rochas, logo após parados, olhando fixamente para a câmera, o que o próprio Eggers traduziu na afirmação: “É nesse momento que eu falo: essas são as pessoas com quem você vai passar a próxima 1 h e 50 minutos”.

Thomas Wake (Willem Dafoe) é faroleiro há décadas, vive isolado na pequena ilha rochosa e cuida do farol, com uma devoção medonha. O velho, que passa a maior parte do tempo bêbado, recebe Ephraim Winslow (Robert Pattinson), após seu outro ajudante morrer em um acesso de loucura. Ephraim acredita que irá aprender o ofício, mas tudo que consegue é se tornar uma espécie de zelador, um faz tudo.

Os dois homens não desenvolvem uma relação amistosa: Winslow começa a ficar obcecado em subir até a luz, enquanto Wake constantemente alcoolizado parece sentir prazer em humilhá-lo. Uma atmosfera mística começa a invadir o lugar e chegamos a um ponto que fica impossível distinguir se é fruto da imaginação de Winslow ou se aquelas coisas são reais.

Durante a Coletiva de Imprensa realizada com a mídia brasileira, Eggers declarou que “O Farol” não é um filme que dá medo, que a história não é sobre isso. Contou que preferiu trabalhar as sombras que existem dentro da cabeça das pessoas, e foi isso que ele fez: construiu dois únicos personagens com características muito distintas. Ephraim, em seu primeiro momento, é misterioso e de pouca conversa; por outro lado, vemos Thomas que naturalmente beira a loucura, falante e contando histórias diferentes para um mesmo acontecimento.

A escolha dos atores foi fundamental para o acerto da produção. Fica clara a excelência de Dafoe e o que mais encanta em sua atuação é a capacidade que ele tem de nos fazer esquecer qualquer outro papel que tenha feito anteriormente. Em cada trabalho é como se nos fosse apresentado um novo ator

Willem já interpretou papéis dos mais diversos: de um escritor deprimido em “A é das estrelas” a um vilão caricato em “Homem-Aranha”, agora tem é quem tem os maiores diálogos no decorrer do longa e suas falas são um tanto quanto complexas.

Já os que ainda têm alguma dúvida sobre a capacidade de atuação de Robert Pattinson, podem ficar tranquilos. O que vemos em tela é um ator maduro, sombrio e perturbado.

O filme tem estreia prevista para o dia 02 de janeiro de 2020 e é uma obra-prima em todos os seus detalhes e nuances. A originalidade e ousadia de Eggers merecem ser aplaudidas de pé.

por Carla Mendes – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Editora Luz da Serra lança “Minuto da Gratidão” Editora Luz da Serra lança “Minuto da Gratidão”
Estrelada por Renée Zellweger, cinebiografia de Judy Garland ganha primeiro trailer Estrelada por Renée Zellweger, cinebiografia de Judy Garland ganha primeiro trailer
Crítica: “A Grande Mentira” Crítica: “A Grande Mentira”
Crítica: “O Reino Gelado: A Terra dos Espelhos” Crítica: “O Reino Gelado: A Terra dos Espelhos”
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.