Crítica: “O Grande Silêncio”

Silêncio. A ausência de sons. Uma barreira que lentamente se constrói, pouco a pouco se tornando intransponível, entre duas pessoas que se afastam, como muito bem pode atestar Valerio Primic (Massimiliano Gallo): enfurnado em seu escritório e biblioteca, ao meio de seus livros organizados em parâmetros estranhos, tornou-se um estranho para sua própria família, que por sua vez passa a tomar uma decisão importante sem seu conhecimento. Agora cabe ao patriarca tentar se reconectar e quem sabe reverter a iniciativa de sua mulher e filhos de vender sua velha casa.

Porém fica a pergunta: será tarde demais para derrubar os muros do silêncio?

Esta é a trama de “O Grande Silêncio” (Il Silenzio Grande), quarto longa dirigido pelo italiano Alessandro Gassmann, que além de diretor é um ator popular no cinema e na televisão italianos.

Antes de tudo, é preciso dizer que mesmo sendo um drama familiar, existe um elemento de comédia na obra que faz parte da programação do 16º Festival de Cinema Italiano. Um exemplo é a imaginação exacerbada de Valerio, que tudo que lhe narram ele imagina de maneira cômica. Outro é a empregada Bettina (Marina Confalone), que ainda que seja o alívio cômico, na verdade é a conselheira do escritor, que ajuda a este compensar sua total falta de tato emocional em relação à própria família.

Isto, no entanto, não impede o filme de ser trágico. Em primeiro lugar a relação de Valerio com seus filhos é forjada pelo desapego, e estes sofrem o peso da fama do pai em todos os seus outros relacionamentos, levando o filho desprezar o pai e sua casa, e a filha a constantemente procurar homens mais velhos. O casamento do escritor também é carregado por uma dicotomia entre amor e dor, onde Rose (Margherita Buy), sua esposa, se ressente das obsessões – o trabalho, a casa etc. – de seu marido, que se interpõem entre os dois.

Normalmente filmes não conseguem atingir um equilíbrio entre tragédia e comédia, porém “O Grande Silêncio” consegue fazê-lo de maneira competente. O verdadeiro elo fraco, no entanto, está em sua reviravolta central – cujos detalhes não serão revelados por motivos de spoiler: é previsível, e já foi utilizada à exaustão em títulos cuja premissa se encaixaria melhor.

De volta aos pontos fortes, a fotografia de Mike Stern Sterzynski é um dos maiores. Além de dar um tom intimista à produção, sempre se atendo a ângulos que valorizem as expressões dos personagens, também cria um ambiente fechado, quase claustrofóbico, onde todos se veem presos à casa decrépita.

“O Grande Silêncio” é um interessante drama, que serve muito bem para quem quer assistir a algo menos centralizado nos Estados Unidos, mas ainda assim tocando assuntos familiares a temáticas mais convencionais. Além disso, a tragédia se equilibra bem com a comédia, e pode agradar até mesmo quem não é fã de dramas comuns.

por Ícaro Marques – especial para A Toupeira

Filed in: BD, DVD, Digital

You might like:

Crítica: Quando o Demônio chama” Crítica: Quando o Demônio chama”
HBO Max: Três primeiros episódios de “Pacificador” já estão disponíveis na plataforma HBO Max: Três primeiros episódios de “Pacificador” já estão disponíveis na plataforma
A sala mais “very porreta” do Brasil chegou ao Escape Time A sala mais “very porreta” do Brasil chegou ao Escape Time
“Pânico”: Confira novo vídeo com o elenco original “Pânico”: Confira novo vídeo com o elenco original
© 7706 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.