Crítica: “O Grinch”

De todas as datas festivas do calendário anual, talvez o Natal seja a mais controversa. Ela vai da mais genuína alegria que assola a maior parte dos corações à desconfiança por parte de quem enxerga certo cinismo exagerado por trás das boas ações que se destacam na época.

Ao escrever “Como o Grinch roubou o Natal”, em 1957, o aclamado autor Dr. Seuss conseguiu colocar no papel exatamente essas duas vertentes. Pelo lado dos que amam o Natal, os simpáticos “Quem”, personagens cuja empolgação pelos preparativos das festas temáticas beira o surreal (ou não, há mesmo pessoas que abraçam a causa natalina de corpo e alma). Pelo time dos que não tem tanto amor pelo Papai Noel ou por quaisquer representações da época, um dos protagonistas mais interessantes de todos os tempos: O Grinch.

Depois de uma adaptação live-action realizada no ano 2000, com Jim Carrey no papel principal, o personagem está de volta às telonas, dessa vez em forma de animação. “O Grinch” (The Grinch) nos leva à alegre – talvez até demais – Quemlândia, uma terra onde o amor e o respeito pelo próximo só não são maiores do que a fascinação de seus habitantes pelo Natal (e tudo que seja relacionado a ele, incluindo decorações que tem luzes suficientes para iluminar uma cidade inteira).

O único morador local que não se deixa levar pelo espírito natalino é justamente nosso amigo verde /peludo (que no original tem a voz de Benedict Cumberbatch e na versão nacional é dublado por Lázaro Ramos). Segundo o narrador – e sua cativante habilidade de contar a história em forma de versos – o Grinch teve uma infância muito triste, passada em um orfanato, e nunca fez parte de nenhuma comemoração de Natal, o que levou seu coração a diminuir de tamanho (sempre gostei da representação visual desse fato, com o órgão simbolizando de maneira literal o centro das emoções).

Morando em uma caverna isolada do vilarejo, o protagonista tem como única companhia o adorável cãozinho Max, que se mostra um excelente companheiro de aventuras e um amigo verdadeiro – exatamente como todo cachorro da vida real. Durante quase a íntegra da narrativa, o pequeno animal, com suas habilidades e travessuras, é o ponto que separa seu tutor de uma total falta de amor.

Quando os Quem decidem que as comemorações serão três vezes maior do que qualquer outra realizada anteriormente, o Grinch decide pôr em prática um plano tão maligno quanto surreal: ele vai roubar o Natal. Mas, no meio de todo seu planejamento, surge um fator inesperado que vai colocar à prova a eficácia de suas más ações: a pequena Cindy Lou Quem, que carrega consigo a típica inocência de uma criança e a fé inabalável em um futuro melhor.

A animação é encantadora. Para quem já gosta do tema, é um deleite ver a beleza das cores que remetem à data, assim como é incrível notar a preocupação com as texturas – seja da superfície da pele dos Quem ou da movimentação convincente dos pelos no corpo do Grinch.

Com uma história simples e que já é tão conhecida por tantas pessoas, não há grandes novidades ou elementos surpreendentes na produção, mas ainda assim, ela é de uma incrível eficácia na tarefa de fazer o espectador passar do sorriso tímido à risada que faz bem, passando pela sempre importante reflexão sobre a importância de se ter bons laços – sejam familiares ou de amizade – em nossas vidas.

Imperdível.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

“Toy Story 4”: confira trailer inédito e nova imagem “Toy Story 4”: confira trailer inédito e nova imagem
Confira primeiro pôster e trailer legendado de “Detetive Pikachu” Confira primeiro pôster e trailer legendado de “Detetive Pikachu”
Para conhecer o legado de Stan Lee Para conhecer o legado de Stan Lee
Bilheteria brasileira de “Bohemian Rhapsody” já conta com mais de um milhão de espectadores Bilheteria brasileira de “Bohemian Rhapsody” já conta com mais de um milhão de espectadores
© 2018 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.