Crítica: “O Homem que matou Dom Quixote”

Após diversos contratempos, finalmente chega aos cinemas o longa idealizado por Terry Gilliam em 1989. Sim, se passaram quase trinta anos da ideia até o lançamento de “O Homem que matou Dom Quixote” (The Man who killed Don Quixote), no Festival de Cannes em 2018.

O filme inspirado na obra de Miguel de Cervantes, começou a ser produzido em 1998, as gravações se iniciaram em 2000. Contudo, o projeto foi suspenso diversas vezes por imprevistos como tempestades, troca de elenco e disputas judiciais. Tudo isso gerou muita expectativa para os críticos e aficionados pela sétima arte.

Gilliam tem uma assinatura forte em suas produções, uma extravagância, um tom de mistério e elementos lúdicos. A escolha de adaptar Dom Quixote para telonas é mais um de seus acertos, a história do Senhor que de tanto ler romances não consegue mais diferenciar ficção de realidade e decide sair pelo mundo como Cavaleiro andante, na companhia de seu escudeiro Sancho, ganha uma nova perspectiva.

No filme, Toby (Adam Driver), é um famoso diretor de comerciais que está na Espanha produzindo um filme de Dom Quixote, porém, não está satisfeito com o andamento de seu trabalho. O que Toby “esconde” é que já esteve naquela região anteriormente, quando era apenas estudante, e foi ali que gravou seu primeiro longa, movimentando o pequeno vilarejo e utilizando os habitantes para dar vida aos personagens de Dom Quixote.

Xavier (Jonathan Pryce), um velho sapateiro, foi o escolhido pelo jovem Toby para dar vida ao Cavaleiro Andante. Angélica (Joana Ribeiro), ainda adolescente foi inspirada, a seguir seu sonho e se tornar uma atriz de cinema.

Dez anos depois, Toby não imagina as consequências de seu filme à vida dos envolvidos e quando retorna ao povoado descobre que Angélica havia deixado o lugar e se tornado acompanhante de luxo. Xavier está louco, e acredita realmente ser Dom Quixote, para completar confunde Toby com Sancho.

Inicialmente para fugir das confusões em que se meteu, o diretor resolve acompanhar o sapateiro. Depois, como já é esperado, Toby começa a zelar pela segurança de “Dom Quixote” e o acompanha, entrando de forma literal em suas aventuras, ou melhor dizendo, seus devaneios.

Adam Driver, que já participou de “Star Wars” e “Infiltrado na Klan”, mostra toda sua versatilidade e dá um leve ar cômico ao personagem. Jonathan Pryce, de “Game of Thrones” e “Piratas do Caribe”, com toda sua experiência, dispensa comentários e está magnífico. Para trazer o ar dramático à trama entra a personagem de Joana Ribeiro, que faz o papel da donzela em apuros e precisa ser tirada do homem mal.

“O Homem que matou Dom Quixote”, que terá lançamento exclusivo na rede Cinépolis, é uma excelente mostra de que um clássico pode surpreender como um filme fantasioso, divertido e dramático. Vale cada minuto investido.

por Carla Mendes – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Prime Video lança trailer oficial e data de lançamento da segunda temporada de “Star Trek: Picard” Prime Video lança trailer oficial e data de lançamento da segunda temporada de “Star Trek: Picard”
Disney cria Exposição Imersiva do filme “O Beco do Pesadelo” no Shopping Frei Caneca Disney cria Exposição Imersiva do filme “O Beco do Pesadelo” no Shopping Frei Caneca
Paris Filmes divulga novo pôster nacional do anime “Belle” Paris Filmes divulga novo pôster nacional do anime “Belle”
Bolo Sonho de Limão é a dica da Castelo Alimentos Bolo Sonho de Limão é a dica da Castelo Alimentos
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.