Crítica: “O Rastro”

Entre os diversos tipos de filmes existentes (e suas cada vez mais presentes subdivisões), terror é um dos que tem admiradores mais fiéis e, talvez por isso mesmo, mais exigentes, quando se trata da qualidade das histórias apresentadas.

Apesar de bastante popular no Brasil, o gênero ainda enfrenta grandes dificuldades em se firmar dentro de produções nacionais, tendo uma inacreditável discrepância nos números de bilheteria alcançados por títulos internacionais – especialmente os americanos.

Com a responsabilidade de conquistar a audiência do próprio país em que foi produzido, o terror “O Rastro” chega às telonas sob a direção de J. C. Feyer e conta com a participação de um elenco consagrado – especialmente em trabalhos para a televisão.

A trama é passada quase em sua totalidade nos corredores de um hospital público cuja decadência palpável equivale à urgência com que a saúde pública deveria ser tratada (seja na ficção ou na vida real). O protagonista João (Rafael Cardoso), um ex-residente do local, agora trabalha mais com a parte burocrática na Secretaria Pública de Saúde, e é o responsável pela transferência dos últimos pacientes internados para que a interdição definitiva possa ser efetuada.

Além de ter que confrontar seu mentor – e dono do estabelecimento – Heitor (Jonas Bloch), João acabará, sem querer, entrando numa história repleta de surpreendentes segredos, no momento em que conhece a pequena Júlia (Natália Guedes), uma das pacientes que devem ser transferidas, mas que de repente some sem deixar nenhum rastro (vale o trocadilho!).

Fazendo par com João, está Leila (Leandra Leal), que à espera do primeiro filho do casal, verá sua vida, aparentemente pacata e comum, virar de cabeça para baixo com os crescentes surtos do marido, que assume como meta de vida encontrar a garota desaparecida sob sua responsabilidade.

Apostando na eficácia do terror psicológico, o longa faz com que o espectador sinta-se cada vez mais enredado pelas dúvidas que surgem durante a exibição. A opção pelo uso de closes (destacando o suor dos personagens) e por tomadas mais fechadas – causando a clara sensação de sufoco, levam a plateia a sentir-se quase uma prisioneira do decrépito hospital. Ponto para a direção de arte.

O elenco ainda traz nomes como Claudia Abreu, Alice Wegmann e Felipe Camargo, além de uma participação especial que não foi anunciada em nenhum tipo de material de divulgação (em uma ação semelhante à utilizada no longa “Seven – Os Sete Crimes Capitais”, obra prima de David Fincher, lançado em 1995).

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

“Lady Bird – A Hora de Voar” ganha novo trailer inédito “Lady Bird – A Hora de Voar” ganha novo trailer inédito
Assista ao trailer de “Uma Dobra no Tempo”, novo filme de Oprah Winfrey Assista ao trailer de “Uma Dobra no Tempo”, novo filme de Oprah Winfrey
Direto da Toca: Fizemos um tour pela fábrica da Cervejaria Votus Direto da Toca: Fizemos um tour pela fábrica da Cervejaria Votus
Framboesa de Ouro 2018: Divulgada a lista de indicados Framboesa de Ouro 2018: Divulgada a lista de indicados
© 2018 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.