Crítica: “O Rei de Roma”

Sempre acreditei que para uma comédia ter êxito, ela não precisa, necessariamente, fazer a plateia gargalhar até perder o fôlego. Algumas produções do gênero conseguem encontrar um ponto preciso de divertimento, que se equilibra no fato do espectador manter-se interessado na história e possa encontrar motivos para colocar vários sorrisos no rosto durante a projeção.

Esse é o caso de “O Rei de Roma” (Io sono Tempesta), longa italiano dirigido por Daniele Luchetti (que também assina o roteiro junto a Giulia Calenda e Sandro Petraglia), que tem como protagonista o muito bem-sucedido – e naturalmente egocêntrico (visto o título original) – empresário Numa Tempesta (Marco Giallini), que é obrigado a conviver com uma realidade muito diferente da sua, por uma pendência antiga com a justiça.

Devido à evasão de divisas, Numa é condenado a pagar um ano de serviços comunitários. Para isso, deve apresentar-se todos os dias em um abrigo local, que cuida de pessoas em situação de rua, oferecendo itens básicos como roupa e produtos de higiene, além de uma refeição diária e ambientes para que possam descansar (antes de terem que encaminhar-se de volta às ruas no final do expediente).

Com uma rotina que inclui transações imobiliárias de milhões de dólares e luxuosas moradias temporárias – ele vive em hotéis que adquire, até que consiga vendê-los -, o empresário inicialmente se vê perdido com suas novas obrigações, já que durante o cumprimento delas não tem acesso nem mesmo a seu telefone celular – o que acarreta a perda de várias transações financeiras.

Mas, com a mesma rapidez que conclui projetos milionários, ele se adapta – a sua, digamos “excêntrica” maneira, é claro – aos novos rostos que agora fazem parte de sua vida. Entre eles, o divertido Bruno (Elio Germano) – responsável direto por vários dos melhores momentos da narrativa, incluindo o hilário caso dos créditos no celular -, que após ser abandonado pela esposa acabou nas ruas com seu filho único, o astuto Nicola (Francesco Gheghi).

Com a lábia que os grandes empreendedores têm, Numa consegue convencer (entenda-se subornar) parte dos que frequentam o abrigo – e com quem têm contato direto – a dizer para a rígida coordenadora do local, Angela (Eleonora Danco), que a conduta dele é exemplar e que a empatia tornou-se algo natural entre eles. Tudo para que sua pena seja diminuída e ele possa fazer uma viagem para o Cazaquistão, onde pretende fechar um dos maiores negócios de sua carreira.

É claro que nem tudo sai como planejado, mas o convívio do protagonista com os demais personagens que possuem uma realidade tão contrária a sua, traz consigo mais do que o aprendizado e a lição de moral – que seriam óbvios e esperados em uma produção assim. E são essas surpresas, e até mesmo as ações de caráter duvidoso à primeira vista, que tornam a produção tão diferente e interessante.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Jogue 5 Eras da história humana no Closed Beta de Humankind Jogue 5 Eras da história humana no Closed Beta de Humankind
Ubisoft anuncia Avatar: Frontiers of Pandora com primeiro trailer Ubisoft anuncia Avatar: Frontiers of Pandora com primeiro trailer
Mario + Rabbids Sparks of Hope apresenta uma aventura em escala cósmica Mario + Rabbids Sparks of Hope apresenta uma aventura em escala cósmica
Tom Clancy’s Rainbow Six Extraction ganha anúncio de lançamento para setembro Tom Clancy’s Rainbow Six Extraction ganha anúncio de lançamento para setembro
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.