Crítica: “O Retorno do Herói”

Personagens cativantes que são peças-chave em uma história naturalmente divertida. Esses são os grandes atrativos da comédia franco-belga “O Retorno do Herói” (Le Retour du Héros), dirigida por Laurent Tirard – que também está à frente do roteiro junto a Grégoire Vigneron.

A trama passada na França, em 1809, começa com o imponente Capitão Charles-Grégoire Neuville (Jean Dujardin) pedindo a mão da jovem Pauline Beugrand (Noémie Merlant) em casamento. Mas, o momento de romance e festejo acaba interrompido pelo recrutamento do oficial que deverá servir seu país na guerra.

Com o não cumprimento da promessa de escrever cartas diárias à sua pretendente, Neuville se torna responsável pelo abatimento de Pauline, que chega a adoecer gravemente. E esse – ainda bem – é o máximo de carga dramática que você verá no filme.

Preocupada com a saúde precária da irmã caçula, Elisabeth (Mélanie Laurent) começa a escrever cartas frequentes como se fosse o capitão. Nelas, conta façanhas dignas de um verdadeiro herói, como o enfrentamento de peito aberto diante de 2.000 soldados do exército inglês, até que em uma missiva final, paira a ideia de que ele não mais retornará ao lar com vida.

Três anos se passam e o nome de Neuville é exaltado por todo o povo local, que vê em seu ilustre morador a figura heroica de quem deu a vida por seu país. Tudo corre bem até o improvável retorno do protagonista em situações bem menos glamorosas do que se poderia imaginar para alguém com seu pefil.

Esse é o ponto de partida para uma sucessão de bem executadas situações que têm tudo para entreter os espectadores. Primeira a saber que o capitão está vivo, Elisabeth terá que elaborar um plano imediato para que a farsa de suas cartas não seja descoberta. Essa aproximação dos personagens – que não têm um bom relacionamento entre si, sendo opostos em vários aspectos, inclusive no que diz respeito a caráter – acontece de forma muito divertida, apesar de obviamente forçada.

Quanto mais se passa o tempo, mais enredada nas próprias mentiras fica a dupla, que para piorar, ainda conta com a boa lábia de Neuville, que faz questão de incrementar ainda mais as histórias escritas por Elisabeth, quando as conta pessoalmente em reuniões realizadas apenas para exaltar sua coragem e determinação em seus anos de batalha.

O roteiro não chega a ser surpreendente – apesar de várias reviravoltas, não é difícil imaginar o que acontecerá no ato final da produção – mas talvez (ou justamente) por isso funcione tão bem. Há um excelente equilíbrio entre o humor escancarado e os momentos em que mesmo com textos cômicos, seja viável enxergar críticas pertinentes a assuntos que, mesmo tendo se passado mais de 200 anos, ainda vêm à tona.

Destaque para a cenografia e figurinos ricos em detalhes e que remetem ao início dos anos de 1800 com bastante competência. E para o bom trabalho do elenco de forma geral, ressaltando a dupla Jean Dujardin e Mélanie Laurent, que entrega interpretações primorosas e transforma seus personagens em figuras fáceis de se torcer pelo êxito.

Vale conferir!

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

“Loki”: Saiba fatos sobre a nova série da Marvel Studios “Loki”: Saiba fatos sobre a nova série da Marvel Studios
Disney+: Saiba tudo sobre “Luca”, a nova animação da Pixar Disney+: Saiba tudo sobre “Luca”, a nova animação da Pixar
Escape Time Brasil e LendaTV apresentam “O Museu”, uma exposição de terror inédita no Brasil Escape Time Brasil e LendaTV apresentam “O Museu”, uma exposição de terror inédita no Brasil
Starzplay anuncia elenco de “Dangerous Liaisons”,  inspirada no clássico “Ligações Perigosas” Starzplay anuncia elenco de “Dangerous Liaisons”, inspirada no clássico “Ligações Perigosas”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.