Crítica: “Olhos do Deserto”

Pode-se dizer que Olhos do Deserto (Eye on Juliet) é uma releitura livre do clássico Romeu e Julieta de William Shakespeare. Dirigido por Kim Nguyen, em vez da rivalidade clássica das famílias, o que separa o casal protagonista possui implicações diferentes. Gordon (Joe Cole) é um operador de hexapod, uma espécie de robô aranha. Ele trabalha todo dia vigiando um oleoduto através dos olhos do robô, para impedir que roubem o petróleo. Em um dos seus dias de vigília, vê Ayusha (Lina El Arabi), uma jovem do Oriente Médio, com seu namorado, e escuta que ambos pretendem fugir para viver um amor impossível.

Projetando-se nesse casal que não quer se separar, enquanto sofre o término abrupto de anos de namoro, escolhe ajudá-los. O desafio é que Gordon tem apenas os olhos do robô e vive na América, do outro lado do mundo, afastado de Ayusha.

Há algo de Ela (Her), filme de Spike Jonze, na trama, e é inevitável lembrar de Wall-e quando vemos os robôs. Os três longas caminham por essa premissa: como estabelecer intimidade quando as tecnologias conseguem tanto unir quanto separar pessoas, pelo mundo? Vemos as relações com as tecnologias postas em dúvida, ao mesmo tempo em que são feitas ressalvas.

O filme possui cenas indicando o valor do contato físico e da atração para o início de uma relação, mas também demonstra que não é o essencial para que ela ocorra. Com a promessa de estar com qualquer pessoa de uma cidade inteira, que os aplicativos como Tinder prometem, há também a dificuldade de voltar a se sentir bem ao estar com o outro, após o término de um romance.

Por meio da tecnologia, Gordon pôde conhecer Ayusha. Mas, para que resolva ajudar outra pessoa do outro lado do mundo, sem interesse algum, apenas usando o robô como instrumento, é preciso muita empatia, humanidade. Algo que só um ser humano poderia ousar fazer pelo outro, pois se reconhece como igual nesse outro. Não precisa fazer parte do mesmo contexto, da mesma cultura ou obter algo útil dessa ajuda. Mas tão somente conceder um gesto e acabar por mudar a vida de outra pessoa.

A produção não tem receio de construir um personagem masculino sensível, que sofre os estágios de melancolia de ter terminado o namoro que tinha desde a adolescência, sem desejar estar em outros encontros para preencher o vazio. Percebemos, com Gordon, também o incômodo em se sentir no lugar de um voyeur: ver a vida dos outros acontecendo, por meio da tecnologia – seja o celular, seja o robô -, e não poder fazer nada a respeito, nem viver aquela mesma vida.

Olhos do Deserto tem seus momentos românticos, pois é sua proposta. Ainda assim, eles soam, ao término da exibição, como parte de um contato delicado que pensávamos ter se perdido em meio às facilidades imediatas da tecnologia. O filme acaba por falar das várias faces desses instrumentos que temos em mãos, o poder de controle de uma nação sobre a outra, o esvaziamento entre os contatos, o individualismo, e a sobrevivência do amor e carinho que podem nascer por esse mesmo instrumento, por olhos que estranhamente vigiam, e olhos que podem ser usados apenas com o intuito de cuidar e libertar.

por Marina Franconeti – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

“Halloween Kills: O Terror Continua”: Novo vídeo traz curiosidades sobre a máscara de Michael Myers “Halloween Kills: O Terror Continua”: Novo vídeo traz curiosidades sobre a máscara de Michael Myers
“Angel”, spin-off de Buffy: A Caça-Vampiros, chegou no Star+ “Angel”, spin-off de Buffy: A Caça-Vampiros, chegou no Star+
Confira o novo trailer de “Ghostbusters – Mais Além” Confira o novo trailer de “Ghostbusters – Mais Além”
“Espíritos Obscuros”: Saiba mais sobre a produção de terror “Espíritos Obscuros”: Saiba mais sobre a produção de terror
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.