Crítica: “Os Orfãos”

Algumas obras conseguem, mesmo depois de décadas de seu lançamento, manter-se relevantes a ponto de emergir como tema central de diversas adaptações. Este é o caso de “A Volta do Parafuso”, um conto de fantasmas escrito por Henry James em 1898, que já teve versões para o cinema, teatro, rádio e televisão (sendo as mais conhecidas, a montagem de 1950 da Broadway e a versão cinematográfica de 1961, “Os Inocentes”) e que servirá como base para a segunda temporada da série “A Maldição da Residência Hill”.

A história calcada firmemente no gênero da literatura gótica acaba de ganhar, mais uma vez, as telas de cinema, com a estreia de “Os Orfãos” (The Turning), terror que, embora faça uma óbvia tentativa de provocar o mesmo “incômodo” causado pelo texto de Henry James, falha na maior parte do tempo, inclusive por muitas mudanças em relação ao conto original.

A narrativa sofre uma alteração na época em que se passa e agora os acontecimentos ocorrem em 1994 – período confirmado pelo fato do suicídio do vocalista da banda Nirvana, Kurt Cobain, ser manchete dos noticiários televisivos – o que significa que as modernidades tecnológicas da atualidade (entenda-se celulares e Internet) não estão presentes para facilitar a vida de nenhum personagem. Também existe a manutenção de uma fotografia que pende para cenas com baixa iluminação, o que é uma ótima alternativa para manter os percalços e o clima soturno.

Com poucas figuras em tela, o longa dirigido por Floria Sigismondi tem um trio de protagonistas formado pela professora de educação infantil, Kate (Mackenzie Davis), que é contratada para trabalhar como babá dos irmãos Flora (Brooklynn Prince) e Miles (Finn Wolfhard), órfãos que vivem em uma tão suntuosa quanto assustadora mansão, junto à misteriosa governanta Srª Grose (Barbara Marten), que não parece muito inclinada a auxiliar a nova funcionária.

Por si só, a história já parece exaustivamente batida, mas a situação se agrava quando vemos a presença de vários (e pouco eficientes) clichês para mostrar que há mais do que se supõe à primeira vista, escondido entre as paredes da residência. Cabe ao espectador, acompanhar Kate em sua busca por informações prévias que levem a algum entendimento do que de fato se passa no local – ainda que essa busca vá pouco a pouco minando suas forças físicas e mentais.

Roteirizado por irmãos Chad e Carey Hayes, o longa é feito de pequenos momentos que funcionam, graças à boa interpretação do elenco, mas isso parece pouco para sustentar os 94 minutos de projeção. Ainda que a obra original arrisque-se em entregar um final em aberto, incitando o leitor a ter sua própria interpretação (sem que esta seja confirmada como correta em momento algum), o filme peca ao fazer uso de uma sequência final que parece ter sido concluída antes do tempo – tanto que nem mesmo entendi em um primeiro momento que aquele era o encerramento real.

Difícil afirmar que muito mais poderia ser feito, mesmo que houvesse uma interpretação mais literal do texto de 1898, o que não diminui o problema da plateia ficar com a sensação de que algo fundamental foi deixado de lado, ao acender das luzes.

por Angela Debellis

*Filme assistido durante Cabine de Imprensa promovida pela Universal Pictures.

Filed in: Cinema

You might like:

Filme de South Park sobre a pandemia desembarca na Watch Brasil Filme de South Park sobre a pandemia desembarca na Watch Brasil
“Takeshi”: Techland apresenta nova história em áudio “Takeshi”: Techland apresenta nova história em áudio
Campanha do Boticário traz Gretchen, “Rainha do Bumbum”, em clipe irreverente Campanha do Boticário traz Gretchen, “Rainha do Bumbum”, em clipe irreverente
“Insânia”, série brasileira de suspense do Star+, estreia em mais de 60 países “Insânia”, série brasileira de suspense do Star+, estreia em mais de 60 países
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.