Crítica: “Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar”

Yo ho ho e uma garrafa de rum! Um dos piratas mais legais da história do cinema está de volta, em sua melhor forma. “Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar” (Pirates of the Caribbean: Dead Men Tell No Tales) é a quinta aventura do divertido / beberrão Capitão Jack Sparrow (Johnny Depp) e mostra que, mesmo após 14 anos do início da franquia, ainda há muita história a ser contada.

No longa dirigido por Joachim Rønning e Espen Sandberg, há o retorno de figuras já conhecidas e a inclusão de novos – e bem interessantes – nomes. Em comum, o desejo – a partir de motivos pessoais e distintos – por encontrar um artefato que teria o poder de controlar os mares: o Tridente de Poseidon (aquele momento em que a fantasia toma conta do espectador que embarca com facilidade na proposta).

A trama nos apresenta Henry Turner (Brenton Thwaites), cujos pais Will Turner (Orlando Bloom) e Elizabeth Swann (Keira Knightley) têm uma participação discreta, mas importante. A intenção do rapaz, após uma vida estudando lendas e mitos marinhos, é encontrar o tal tridente para libertar seu pai da maldição que o prende ao navio Holandês Voador e o impede de viver em terra firme junto à sua família.

Quem também anseia pelo objeto é Carina Smyth (Kaya Scodelario), que faz da astronomia e horologia suas aliadas para ter êxito na busca. Mas, é claro que uma mulher envolvida com ciências não seria vista com bons olhos naquela época e, sob as injustas acusações de feitiçaria, a jovem terá que buscar segurança entre os que têm o mesmo objetivo que ela.

Com o protagonismo dividido entre vários personagens, há o momento de destaque para cada um. Do velho conhecido Capitão Hector Barbossa (Geoffrey Rush) – cuja participação é fundamental para a trama -, ao vilão da vez, Salazar (Javier Barden), militar espanhol avesso às atividades piratas em alto mar, e que busca a tal vingança do título por ter sido condenado a viver como um fantasma na caverna conhecida como Triângulo do Diabo, após a ação de um jovem pirata com apelido de pássaro, que anos depois se tornaria capitão de seu próprio navio.

Há muito o que se destacar: da marcante e eficiente trilha sonora, ao visual, como sempre impecável – seja dos cenários, figurinos ou sequências que envolvem o uso de efeitos especiais (os tubarões fantasmas / zumbis são espetaculares, assim como a ideia de movimento sob a água que a tripulação de Salazar mostra, mesmo estando em navios sobre o mar).

As piadas e situações absurdas – a começar pela cena inicial que envolve um roubo a banco – continuam sendo a melhor e mais famosa marca registrada da franquia. Jack consegue arrancar sorrisos fáceis da plateia que, mesmo consciente de sua índole duvidosa, se deixa levar pela graça do personagem.

Se antes conhecemos o pai do protagonista (interpretado por Keith Richards, guitarrista do grupo The Rolling Stones), dessa vez quem dá as caras é Tio Jack (papel do ex-Beatle Paul McCartney), em uma tão rápida quanto divertida aparição. Parece que o estilo despojado é mesmo de família.

O final fechado, que poderia ser indicativo do fim da saga, logo volta a ser aberto com a cena pós-crédito que deve animar os fãs. Particularmente, já espero ansiosa pelo próximo capítulo das aventuras do Capitão Jack.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

HBO Max lançará documentário da Lizzo no segundo semestre do ano HBO Max lançará documentário da Lizzo no segundo semestre do ano
Concurso de Cosplay acontece no Shopping Santa Cruz Concurso de Cosplay acontece no Shopping Santa Cruz
Universal Pictures divulga trailer da comédia “Mais que Amigos, Friends” Universal Pictures divulga trailer da comédia “Mais que Amigos, Friends”
Cine Gazin volta a percorrer cidades brasileiras  com sessões gratuitas Cine Gazin volta a percorrer cidades brasileiras com sessões gratuitas
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.